Tuesday, August 23, 2016

Gentileza e Brutalidade

Pintura de Pedro Américo de 1893 que assombrou minha infância
Valentim Alexandre resume nos seguintes termos os principais traços atribuídos aos portugueses como colonizadores pela ideologia do luso-tropicalismo:

“Uma especial capacidade de se relacionar com outros povos, em particular os das regiões tropicais, uma forma de estar marcada pela ausência de preconceitos raciais, nos contactos com esses povos; uma particular apetência pela miscigenação, dando origem ao mestiço, em contraste com a relutância de outras populações, nomeadamente as nórdicas; e como consequência de todas estas características, uma vocação para servir de ponte, de elo de ligação entre regiões e culturas diferentes.” [Fonte aqui, na excelente tese de Sandro Motta Campos]

Leio de novo então o trecho da sentença de condenação de Tiradentes:

“… condenam ao Réu Joaquim José da Silva Xavier por alcunha o Tiradentes Alferes que foi da tropa paga da Capitania de Minas a que com baraço e pregão seja conduzido pelas ruas publicas ao lugar da forca e nella morra morte natural para sempre, e que depois de morto lhe seja cortada a cabeça e levada a Villa Rica aonde em lugar mais publico della será pregada, em um poste alto até que o tempo a consuma, e o seu corpo será dividido em quatro quartos, e pregados em postes pelo caminho de Minas no sitio da Varginha e das Sebolas aonde o Réu teve as suas infames práticas e os mais nos sitios (sic) de maiores povoações até que o tempo também os consuma; declaram o Réu infame, e seus filhos e netos tendo-os, e os seus bens applicam para o Fisco e Câmara Real, e a casa em que vivia em Villa Rica será arrasada e salgada, para que nunca mais no chão se edifique e não sendo própria será avaliada e paga a seu dono pelos bens confiscados e no mesmo chão se levantará um padrão pelo qual se conserve em memória a infamia deste abominavel Réu…” [A sentença completa está aqui.]


Seria mais fácil chamar o luso-tropicalista de mentira sem-vergonha. Ou pelo menos poderíamos atribuir essa cultura monstruosa [essa ponte/elo entre culturas que ao mesmo tempo enforca, esquarteja, arrasa, salga e torna infame por três gerações] apenas aos portugueses e não aos brasileiros também, como se o moinho de gentes montado na colonização não tivesse sido aumentado e amplificado depois da independência. Esse dilaceramento extremo entre gentileza e brutalidade é nosso. E não há sequer uma redenção possível [incompleta, longe de qualquer ideal] enquanto não estivermos dispostos a encarar de frente aquilo que a sentença contra o Tiradentes exprime.

Thursday, August 18, 2016

O que deixa a desejar pode ser o melhor dos guias

Derek Walcott
A tradução às vezes me parece uma impossibilidade, principalmente no caso da poesia. Recentemente cheguei pelo FCBK a um poema de Derek Walcott. Li no caso uma tradução para o português do poema. Uma vez que eu leio inglês, fui logo procurar o original. No original encontro um poema que eu acho muito, muito superior. Seria o caso de simplesmente culpar o tradutor? Acho que não. Não sei se consigo me explicar. Vamos ver.

Logo nos primeiros oito versos, vejo uma enxurrada de desafios bem complicados. Aqui estão eles em inglês:

I live on the water,
alone. Without wife and children,
I have circled every possibility
to come to this:
a low house by grey water,
with windows always open
to the stale sea. We do not choose such things, 
but we are what we have made. 

A tradução a que tive acesso resolve esses oito versos assim:

Vivo nas águas, 
solitário. Sem mulher nem filhos. 
Atravessei todas as possibilidades 
para chegar até aqui: 
pequena casa em água cinza, 
janelas sempre abertas 
para o 
velho mar. Não escolhemos o destino, 
mas somos o que fizemos. 
Pintura de Derek Walcott

Ironicamente a dificuldade aqui vem do registro próximo do prosaico do poema - próximo mas não prosaico. Isso dificulta o encontro de boas soluções para coisas como "on the water", "circled every possibility", "a low house" e "stale sea". 
Por que tirar o sujeito do primeiro verso [obrigatório em inglês, opcional em português], se com isso se sai de uma redondilha menor [já tão ibérica] para um verso de quatro sílabas? 
E como sair de um discretamente quase prosaico "on the water" para um sublimoso "nas águas"? "On the water" é simplesmente viver na beira de um rio, lagoa, lago ou do mar - aqui no caso o próprio poema elucida que se trata do mar. Mas rejeitar uma solução sem apresentar uma resposta pelo menos um pouquinho melhor não vale!

No verso seguinte, opta-se por um "solitário" [pelo menos quatro sílabas] para traduzir "alone" [só duas] e, outra vez, uma simples e fluida redondilha, agora maior [outra vez forma já tão ibérica], vira um verso meio-de-pé-quebrado [digamos que de pé deslocado] com nove sílabas e acentos na terceira e sétima [terceira e sexta flui bem melhor por ser o mais comum no portugues]. 

"Atravessar possibilidades" dá para ser, mas outra vez me parece uma solução sublimosa para um simples [e tão rico] "circle every possibility". 

Low house não é "casa pequena"

De repente um desencontro no sentido contrário dos anteriores: "stale sea" é uma solução sublimosa que é traduzida com uma solução "invisível", que não chama qualquer atenção para si: "o velho mar".

"Destino" é mais uma tremenda pixotada sublimosa para um prosaico "such things". Veja bem: prosaísmo no registro não implica necessariamente em algo simples e tosco. As soluções de Derek Walcott são sempre sutis, abertas a leituras diferentes, ricas. Essa é aliás uma questão não só de tradução como de fatura poética mesmo: gente que fica brigando por uma dicção mais "poética" ou "prosaica" [não são esses os termos usados em geral] sem entender que essa escolha, em si, não garante nada. A solução "poética" aqui é mais pobre e menos sutil que o "such things" de Walcott.

Para completar: make e fazer têm uma relação capiciosa. O verso em inglês não é "what we have done" e sim "what we have made". Mais uma vez, criticar é bem mais fácil que oferecer alguma solução melhor.

Sempre acabamos lendo um outro poema em português; é inevitável. A questão é que fico na expectativa de um poema diferente mas tão bom quanto. E aí... Mas, ao mesmo tempo, acho importante reconhecer que essa minha leitura do original, essa abertura para atentar para certos detalhes do original, só aconteceu por causa da tradução. Os limites da tradução me serviram de guia na leitura do original, me apontando para esse jogo interessante entre múltiplos sentidos e uma simplicidade chã numa dicção que se aproxima da oralidade informal mais prosaica.

E quantas aspas não cabem entre estes "prosaicos" que sapequei pelo texto inteiro...