Sunday, November 30, 2008

Poema de José Emilio Pacheco

José Emilio Pacheco é um dos poetas mais importantes das letras em espanhol hoje em dia e um prosista maravilhoso também. Adoro esse seu poema, simples e contundente, em que ele reflete sobre a natureza por um viés, digamos, incomum, enxergando no mundo natural não um reflexo de harmonia e justiça, mas das misérias do mundo humano.





Los mares del sur
Felicidad de estar aquí en esta playa
aún sin Milton ni Sheraton.
Arena como al principio de la creación, victoria
de la existencia. Mira cómo salen
del cascarón las tortuguitas.

Observa cómo avanzan sobre la playa ardiente
hacia el mar que es la vida y nos dio la vida.
Prueba esta agua fresquísima del pozo.
No comeremos ni siquiera almejas
por no pensar en nada que recuerde la muerte.

Los paraísos duran un instante.

Llegan las aves, bajan en picada
y hacen vuelos raspantes y se elevan
con la presa en el pico: las tortugas
recién nacidas. Ya no son gaviotas:
es la Luftwaffe sobre Varsovia.

Con que angustia se arrastran hacia la orilla,
víctimas sin más culpa que haber nacido.
Diez entre mil alcanzarán la orilla.
Las demás serán devoradas.

Que otros llamen a esto de selección natural,
equilibrio de las especies.

Para mi es el horror del mundo.
Ciudad de la memoria, 1986-1989

Friday, November 28, 2008

Recordar é viver - Editorial da Folha de São Paulo de 1971

"Como o pior cego é o que não quer ver, o pior do terrorismo é não compreender que no Brasil não há lugar para ele.
Nunca ouve. E de maneira especial não há hoje, quando um governo sério, responsável, respeitável e com indiscutível apoio popular, está levando o Brasil pelos seguros caminhos do desenvolvimento com justiça social - realidade que nenhum brasileiro lúcido pode negar, e que o mundo todo reconhece e proclama. O país, enfim, de onde a subversão - que se alimenta do ódio e cultiva a violência - está sendo definitivamente erradicada, com o decidido apoio do povo e da imprensa que reflete o sentimento deste."
Octávio Frias de Oliveira, 22 de setembro de 1971

Tuesday, November 25, 2008

Diário do Império - Wall Street, Manhattan versus the Ninth Ward, New Orleans

Republicanos ou democratas propõem 600 bilhões, 700 bilhões, 800 bilhões para salvar Wall Street do desastre em que se meteu a partir do momento em que teve total liberdade para fazer o dinheiro com mais dinheiro, sem produzir nada além de dívidas e consumo. E ai de quem faça qualquer objeção ou reparo. Enquanto isso em New Orleans, três anos depois da barragens se romperem por negligência com a chegada do furacão Katrina… as pessoas continuam morando em barracas, morando em trailers precários ou nem morando [há quem diga que 40% da população da cidade ainda não voltou, e provavelmente não vai votar nunca mais].

Monday, November 24, 2008

Outro sonho: Martin Luther King Jr.

Langston Hughes escreveu o poema que coloquei no ultimo post em 1951. O famoso discurso de Martin Luther King Jr. é de 1963:

I am happy to join with you today in what will go down in history as the greatest demonstration for freedom in the history of our nation.

Five score years ago, a great American, in whose symbolic shadow we stand today, signed the Emancipation Proclamation. This momentous decree came as a great beacon light of hope to millions of Negro slaves who had been seared in the flames of withering injustice. It came as a joyous daybreak to end the long night of their captivity.

But one hundred years later, the Negro still is not free. One hundred years later, the life of the Negro is still sadly crippled by the manacles of segregation and the chains of discrimination. One hundred years later, the Negro lives on a lonely island of poverty in the midst of a vast ocean of material prosperity. One hundred years later, the Negro is still languishing in the corners of American society and finds himself an exile in his own land. So we have come here today to dramatize a shameful condition.
Martin Luther King, Jr., delivering his 'I Have a Dream' speech from the steps of Lincoln Memorial. (photo: National Park Service)

In a sense we have come to our nation's capital to cash a check. When the architects of our republic wrote the magnificent words of the Constitution and the Declaration of Independence, they were signing a promissory note to which every American was to fall heir. This note was a promise that all men, yes, black men as well as white men, would be guaranteed the unalienable rights of life, liberty, and the pursuit of happiness.

It is obvious today that America has defaulted on this promissory note insofar as her citizens of color are concerned. Instead of honoring this sacred obligation, America has given the Negro people a bad check, a check which has come back marked "insufficient funds." But we refuse to believe that the bank of justice is bankrupt. We refuse to believe that there are insufficient funds in the great vaults of opportunity of this nation. So we have come to cash this check — a check that will give us upon demand the riches of freedom and the security of justice. We have also come to this hallowed spot to remind America of the fierce urgency of now. This is no time to engage in the luxury of cooling off or to take the tranquilizing drug of gradualism. Now is the time to make real the promises of democracy. Now is the time to rise from the dark and desolate valley of segregation to the sunlit path of racial justice. Now is the time to lift our nation from the quick sands of racial injustice to the solid rock of brotherhood. Now is the time to make justice a reality for all of God's children.

It would be fatal for the nation to overlook the urgency of the moment. This sweltering summer of the Negro's legitimate discontent will not pass until there is an invigorating autumn of freedom and equality. Nineteen sixty-three is not an end, but a beginning. Those who hope that the Negro needed to blow off steam and will now be content will have a rude awakening if the nation returns to business as usual. There will be neither rest nor tranquility in America until the Negro is granted his citizenship rights. The whirlwinds of revolt will continue to shake the foundations of our nation until the bright day of justice emerges.

But there is something that I must say to my people who stand on the warm threshold which leads into the palace of justice. In the process of gaining our rightful place we must not be guilty of wrongful deeds. Let us not seek to satisfy our thirst for freedom by drinking from the cup of bitterness and hatred.

We must forever conduct our struggle on the high plane of dignity and discipline. We must not allow our creative protest to degenerate into physical violence. Again and again we must rise to the majestic heights of meeting physical force with soul force. The marvelous new militancy which has engulfed the Negro community must not lead us to a distrust of all white people, for many of our white brothers, as evidenced by their presence here today, have come to realize that their destiny is tied up with our destiny. They have come to realize that their freedom is inextricably bound to our freedom. We cannot walk alone.

As we walk, we must make the pledge that we shall always march ahead. We cannot turn back. There are those who are asking the devotees of civil rights, "When will you be satisfied?" We can never be satisfied as long as the Negro is the victim of the unspeakable horrors of police brutality. We can never be satisfied, as long as our bodies, heavy with the fatigue of travel, cannot gain lodging in the motels of the highways and the hotels of the cities. We cannot be satisfied as long as the Negro's basic mobility is from a smaller ghetto to a larger one. We can never be satisfied as long as our children are stripped of their selfhood and robbed of their dignity by signs stating "For Whites Only". We cannot be satisfied as long as a Negro in Mississippi cannot vote and a Negro in New York believes he has nothing for which to vote. No, no, we are not satisfied, and we will not be satisfied until justice rolls down like waters and righteousness like a mighty stream.

I am not unmindful that some of you have come here out of great trials and tribulations. Some of you have come fresh from narrow jail cells. Some of you have come from areas where your quest for freedom left you battered by the storms of persecution and staggered by the winds of police brutality. You have been the veterans of creative suffering. Continue to work with the faith that unearned suffering is redemptive.

Go back to Mississippi, go back to Alabama, go back to South Carolina, go back to Georgia, go back to Louisiana, go back to the slums and ghettos of our northern cities, knowing that somehow this situation can and will be changed. Let us not wallow in the valley of despair.

I say to you today, my friends, so even though we face the difficulties of today and tomorrow, I still have a dream. It is a dream deeply rooted in the American dream.

I have a dream that one day this nation will rise up and live out the true meaning of its creed: "We hold these truths to be self-evident: that all men are created equal."

I have a dream that one day on the red hills of Georgia the sons of former slaves and the sons of former slave owners will be able to sit down together at the table of brotherhood.

I have a dream that one day even the state of Mississippi, a state sweltering with the heat of injustice, sweltering with the heat of oppression, will be transformed into an oasis of freedom and justice.

I have a dream that my four little children will one day live in a nation where they will not be judged by the color of their skin but by the content of their character.

I have a dream today.

I have a dream that one day, down in Alabama, with its vicious racists, with its governor having his lips dripping with the words of interposition and nullification; one day right there in Alabama, little black boys and black girls will be able to join hands with little white boys and white girls as sisters and brothers.

I have a dream today.

I have a dream that one day every valley shall be exalted, every hill and mountain shall be made low, the rough places will be made plain, and the crooked places will be made straight, and the glory of the Lord shall be revealed, and all flesh shall see it together.

This is our hope. This is the faith that I go back to the South with. With this faith we will be able to hew out of the mountain of despair a stone of hope. With this faith we will be able to transform the jangling discords of our nation into a beautiful symphony of brotherhood. With this faith we will be able to work together, to pray together, to struggle together, to go to jail together, to stand up for freedom together, knowing that we will be free one day.

This will be the day when all of God's children will be able to sing with a new meaning, "My country, 'tis of thee, sweet land of liberty, of thee I sing. Land where my fathers died, land of the pilgrim's pride, from every mountainside, let freedom ring."

And if America is to be a great nation this must become true. So let freedom ring from the prodigious hilltops of New Hampshire. Let freedom ring from the mighty mountains of New York. Let freedom ring from the heightening Alleghenies of Pennsylvania!

Let freedom ring from the snowcapped Rockies of Colorado!

Let freedom ring from the curvaceous slopes of California!

But not only that; let freedom ring from Stone Mountain of Georgia!

Let freedom ring from Lookout Mountain of Tennessee!

Let freedom ring from every hill and molehill of Mississippi. From every mountainside, let freedom ring.

And when this happens, when we allow freedom to ring, when we let it ring from every village and every hamlet, from every state and every city, we will be able to speed up that day when all of God's children, black men and white men, Jews and Gentiles, Protestants and Catholics, will be able to join hands and sing in the words of the old Negro spiritual, "Free at last! free at last! thank God Almighty, we are free at last!"

Friday, November 21, 2008

Langston Hughes - Dream Deferred

What happens to a dream deferred?

Does it dry up
like a raisin in the sun?
Or fester like a sore--
And then run?
Does it stink like rotten meat?
Or crust and sugar over--
like a syrupy sweet?

Maybe it just sags
like a heavy load.

Or does it explode?

Thursday, November 20, 2008

Tradução, sacação, traição


Deu na Folha de São Paulo: Roberto Domênico Proença "traduziu" os contos de Voltaire - trocando uns detalhes aqui e outros dali de uma tradução antiga de Mário Quintana. A troca era pura crocodilagem - os erros contidos na tradução do poeta gaúcho continuaram. A Martin Claret, editora especializada em livros de bolso, publicou traduções igualmente plagiadas de "Os Irmãos Karamazov" e "A República". A primeira, assinada por Alexandre Boris Popov, é cópia de uma antiga versão da editora Vecchi. A tradução de "A República", assinada por Pietro Nassetti, é, na verdade, uma versão de Maria Helena da Rocha Pereira.
Essa história de tradução requentada é antiga. Eu perdi o respeito intelectual por um grande poeta [que continuo respeitando muito como poeta] quando percebi que uma das suas "traduções" eram assim mesmo, muito entre aspas. As pessoas se fiam muito na ignorância geral da nação para fazer bonito, mas esse tipo de impostura prolifera particularmente no mundo das traduções, principalmente de prosa, quando quem lê a tradução o faz porque não pode ler o original e não tem como julgar o trabalho feito. É o crime perfeito, até que se pegue o criminoso...
Quem conhece as dificuldades do ofício de tradutor, aumentadas pelas péssimas condições de trabalho, sabe: o melhor a fazer é ler, sempre que possível, o original. Digo isso consciente de que nunca vou passar do "oi como vai" em um punhado de línguas que são importantíssimas: Mandarim, Russo, Japonês, Urdu, Hebraico e Árabe, por exemplo. Portanto há que se cuidar antes de sair dizendo por aí que Dostoiévski é isso e aquilo; o Dostoiévski que eu conheço pode muito bem ser consideravelmente diferente do original Russo. Um artigo recente da New Yorker sobre as traduções "clássicas" de Dostoiévski para o inglês atestam o que eu digo: a tal influência de Dostoiévski em Faulkner é a influência dessas traduções mula-manca para o inglês em Faulkner, assim como até uns poucos anos atrás falar de influência de Faulkner na América Latina é uma piada se o escritor em questão não sabia ler inglês muito bem [e para ler Faulkner em inglês, dependendo do livro...]. A "tradução" do tal poeta de que falei é um bom exemplo do que eu estou dizendo: a tradução brasileira que o camarada copiou era uma traducão do Gogol já traduzido para o francês. Quando comparei as duas com uma tradução do Russo para o inglês, encontrei textos completamente diferentes. E Gogol à essa altura... rola na sepultura. Ou não? O mundo das traduções sempre foi assim, desde a Bíblia, um livro pelo qual as pessoas literalmente se matam e que foi traduzida das maneiras mais absurdas desde sempre até bem pouco tempo atrás. A história da relação entre línguas diferentes tradicionalmente se faz de mal-entendidos - o modelo dessas relações seriam as paródias que Moreira da Silva cantava de filmes de Hollywood:

O Rei do Gatilho [Miguel Gustavo]

Trecho falado :


'' o rei do gatilho, super bang-bang de michael gustav, com kid morangueira, o mais famoso pistoleiro de wichitta. temido pelos bandidos, pois só atirava em nome da lei.''


Começa o filme com o garoto me entregando
Um telegrama do arizona, onde um bandido de lascar
Um bandoleiro transviado que era o bamba lá da zona
E não deixava nem defunto descansar.
Dizia urgente que eu seguisse em seu socorro.
A diligencia do oeste neste dia ia levar
Vinte mil dólares do rancho águia de prata
Onde a mocinha costumava me encontrar


'' venha urgente, pois estou morta de medo. só tú poderás salvar-nos.
Beijos
Da tua mary.''


Botei na cinta dois revolveres que atiram
Sem que eu precise nem ao menos me coçar
Assobiei para um cavalo que passava do outro lado
E com o bandido mascarado fui lutar
Cheguei na vila, nem dei bola prô xerife
Entrei direto do saloon, fui me encostando no balcão
Com o chapéu em cima dos olhos nem dei conta
De que o bandido me esparava a traição
''-cuidado, moreira-''
Era um indio meu parceiro que sabia
Das intenções do bandoleiro contra mim
E advertia seu amigo do perigo que corria
Devo-lhe a vida, mas isso não fica assim
A essa altura o cabaret em polvorosa
Já tinha um cheiro de cadáver se espalhando
Houve um suspense de matar o hitchicock
E em close-up prô bandido fui chegando
Parou o show e as bailarinas desmaiaram
Fugiram todos só ficando ele e eu
Ele atirou, eu atirei e nós trocamos tantos tiros
Que até hoje ninguém sabe quem morreu
Eu garanto que foi ele, ele garante que fui eu
Só sei dizer que a mulher dele hoje é viúva
Que eu nunca fui de dar refresco ao inimigo
Como no filme bang-bang vale tudo
O casamento da viúva foi comigo
Tem um final, mas o final é meio impróprio e eu não digo
Volte na próxima semana se quiser ser meu amigo
Eu de cowboy fico gaiato, mas não fujo do perigo.

Fonte: http://letras.terra.com.br/moreira-da-silva/962265/

Monday, November 17, 2008

Línguas Ferinas - Borges y Bioy Casares


Estou lendo o mastodonte de mais de 1500 páginas com os trechos dos diários Adolfo Bioy Casares sobre Jorge Luis Borges. Como esperado, a fofoca maledicente corre solta no livro e confesso que às vezes me sinto até um pouco sem graça de estar compartilhando assim a intimidade embaraçosa dos dois.

Um pequeno exemplo:

Jueves, 25 de octubre [1956]. Borges me dice: “Le dieron el Premio Nobel a Juan Ramón Jiménez”. Bioy: “Qué vergüenza…”. Borges: “… para Estocolmo. Primero a Gabriela [Mistral], ahora a Juan Ramón. Son mejores para inventar a dinamita, que para dar premios”. [232]

Outro exemplo:
Sábado, 25 de mayo [1957]
“Comentamos títulos absurdos. Recuerdo Libertad Bajo Palavra de Octavio Paz: ‘A continuación del título vigoroso, poemas deshilachados. Pero no agradables, no vayas a creer: en cuanto asoma la posibilidad del agrado, el poeta reacciona, no se deja ganar por blanduras, y nos asesta una vigorosa, o por lo menos, incómoda, fealdad. Así cree salvar su alma’.” [277]

Mais um, agora de natureza geográfica:
Borges: “El Rosario es tan Tosco, que parece incredible que sobre un hombre que camina por sus calles una enredadera no refleje una sombra complicada.” [424]

E por aí vai.

Fico espantado com o anti-comunismo e o anti-Peronismo abolutamente fanático dos dois, que chegam a torcer por um golpe militar na Venezuela só porque Peron estava exilado ali. Mas aí é que eu volto à questão da privacidade: imagine se publicam em livro as conversas particulares que você teve com um amigo íntimo – e é claro que no âmbito privado a gente tem direito de falar coisas que não pode falar publicamente, de ser nada razoável, de dar opiniões que vão ser desditas por você mesmo na semana seguinte, de dizer besteiras que não diria nunca em público, muito menos em um livro.
Esse tipo de livro deveria ser lido com essa perspectiva, com um distanciamento relativo que vale aliás também para a leitura da correspondência privada de alguém, mas tenho a impressão de que as pessoas não estão muito dispostas a esse tipo de sutilezas, principalmente porque hoje em dia muita gente faz questão justamente de dizer em público todo o tipo de barbaridades em busca de auto-promoção e celebridade, uma espécie de pornografia mental.

Saturday, November 15, 2008

Poesia Mexicana - Xavier Villaurrutia


Xavier Villaurrutia [1903-1950] dá nome a um dos prêmios literários mais respeitados do México, é mais um dos poetas venerados no México mas pouco conhecidos for a dele [coisa que o Brasil e o México têm em comum]. O resto o poema abaixo explica.

POESÍA
Eres la compañía con quien hablo
de pronto, a solas.
Te forman las palabras
que salen del silencio
y del tanque de sueño en que me ahogo
libre hasta despertar.
Tu mano metálica
endurece la prisa de mi mano
y conduce la pluma
que traza en el papel su litoral.
Tu voz, hoz de eco
es el rebote de mi voz en el muro,
y en tu piel de espejo
me estoy mirando mirarme por mil Argos,
por mí largos segundos.
Pero el menor ruido te ahuyenta
y te veo salir
por la puerta del libro
o por el atlas del techo,
por el tablero del piso,
o la página del espejo,
y me dejas
sin más pulso ni voz y sin más cara,
sin máscara como un hombre desnudo
en medio de una calle de miradas.

Friday, November 14, 2008

Diário do Império - Get Out The Vote


Assisti ontem a uma palestra interessante em que os métodos “científicos” de pesquisas e campanhas eleitorais foram impiedosamente criticados como charlatanice pura. Donald Green, que deu a palestra, escreveu com Alan Gerber um livro sobre o assunto chamado Get Out the Vote - a ênfase num país em que o voto não é obrigatório é compreensivelmente fazer o máximo número de pessoas que apoiam seu candidato a sairem de casa e irem votar [ou votar pelo correio, coisa mais ou menos comum por aqui]. A eficiência de coisas como chamadas telefônicas eletrônicas, correio, e-mails, propagandas na TV é posta em dúvida por Greer. Quando comparados a grupos de controle os resultados são quase que invariavelmente pífios e os marqueteiros revelam-se como enganadores que fingem eficiência e precisão para poder vender mais do seu peixe. O que Green cita como fator capaz de influenciar as coisas em uma campanha? Um acompanhamento próximo com mais de uma visita pessoal ao provável eleitor [uma coisa cara e difícil de fazer com profissionais contratados] e a mais ou menos sutil pressão exercida pelos vizinhos e conhecidos – o que se chama em inglês de “peer pressure”.

Tuesday, November 11, 2008

Clássicos da MPB

Chega de Boa Esperança, Minas Gerais, uma carta apaixonada de Nair Pimenta de Oliveira, pedindo fortografias para um álbum de recordações. Lamartine Babo se corresponde com a fã apaixonada por um ano, até que esta interrompe as cartas porque ia se casar. Tempos depois Lamartine é convidado para ir à Boa Esperança e quer conhecer a fã apaixonada. Mas não existia nenhuma Nair na cidade – quem lhe escrevia era o próprio homem que o convidara, um dentista colecionador de fotos de celebridades. Lamartine compôs então uma de suas mais belas canções, "Serra da Boa Esperança", interpretada em 1937 por Francisco Alves.

Serra da Boa Esperança
Serra da Boa Esperança, esperança que encerra
No coração do Brasil um punhado de terra
No coração de quem vai, no coração de quem vem
Serra da Boa Esperança meu último bem
Parto levando saudades, saudades deixando
Murchas caídas na serra lá perto de Deus
Oh minha serra eis a hora do adeus vou me embora
Deixo a luz do olhar no teu luar
Adeus
Levo na minha cantiga a imagem da serra
Sei que Jesus não castiga o poeta que erra
Nós os poetas erramos, porque rimamos também
Os nossos olhos nos olhos de alguém que não vem
Serra da Boa Esperança não tenhas receio
Hei de guardar tua imagem com a graça de Deus
Oh minha serra eis a hora do adeus vou me embora
Deixo a luz do olhar no teu luar
Adeus

Monday, November 10, 2008

Onde o filho chora e a mãe não ouve - Primeira parte

A moça que limpava e arrumava a casa não vem mais e não há ninguém para reclamar de volta o que antes a natureza tomava e aparentemente deixava reconquistar, mas que agora, depois de dois meses, se entrega por completo: tufos de mato brotam das rachaduras do piso, musgo e mofo crescem pelos cantos das paredes e insetos de vários tamanhos e formatos atravessam cada vez menos aflitos distâncias cada vez maiores, fazendo e desfazendo a descoberto suas transações misteriosas. Tudo aqui parece indicar que a história não pára, mas nessa casa o tempo está curiosamente em suspensão: passado e futuro se acumulam em camadas sucessivas sobrepostas a um presente cada vez mais impreciso e obscuro.
São 6 árvores ao todo, plantadas há muito tempo, perto demais umas das outras, amontoadas como que aleatoriamente no espaço exíguo do quintal, confinadas por muros altos que tentam esconder inutilmente três prédios imensos, dois deles colados na divisa do terreno, mastodontes de mais de 20 andares sem garagem, cheios de salas vazias cheias de ratos e baratas e escritoriozinhos obscuros cheios de gente ocupada em negócios e ofícios improváveis. Dos basculantes encardidos caem de tempos em tempos guimbas de cigarro, copos de plástico e pedaços de papel que se acumulam no chão quando atravessam a tela espessa formada por folhas e galhos.
No meio do quintal coberto de folhas secas e lixo miúdo vê-se uma cadeira e uma mesa de plástico ressecado e encardido. Três cachorros sujos, famintos e sarnentos fuçam pelos cantos e entre os tufos de grama esquálida que insistem em uma existência raquítica sob a penumbra quase completa das árvores.
O velho nos aparece então plantado no meio do quintal, quase imóvel na cadeira de plástico, centrado feito uma estátua de pedra assentada em equilíbrio precário. Na frente dele, em cima da mesa, estão uma pilha de jornais velhos, outra pilha de papel em branco, um copo com canetas e tesoura e o molho gordo e pesado, com as mais de vinte chaves da casa, das quais ele só usa uma, a do portão lateral por onde recebe todos os dias às onze a marmita de papel alumínio que um guardador de carros compra num copo sujo nas redondezas. A mão direita do dorso estático escreve com o que à primeira vista seria obstinação mas não passa de compulsão mecânica, abjeta. A letra miúda de inseto, quase ilegível, vai preenchendo lenta e implacável folha atrás de folha que caem no chão num monturo ao lado da mesa. A cada quinze folhas conta-se a mesma história, repetida com exatamente as mesmas palavras escritas na mesma ordem nas próximas quinze, sucessivamente, penosamente, dia e noite.

Friday, November 07, 2008

Diário do Império - Obama nas alturas!

Ainda sobre a questão das expectativas sobre o Obama gostaria de chamar a atenção para um dado fundamental: a eleição de Obama vem acompanhada de uma vitória expressiva dos democratas no senado e na câmara. Isso é algo que nem FHC nem Lula tiveram e, pelo jeito, não tão cedo um presidente brasileiro terá. As limitações, as concessões, a "falta de agressividade" da agenda política de um presidente num processo democrático estão ligadas às relações dele com o congresso e muitas das frustrações causadas pelos últimos governos brasileiros estão ligadas a necessidade de trabalhar com congressos que representam em grande medida interesses inconfessáveis – mas precisamos não esquecer que esses são congressos legítimos, eleitos pelo voto livre. A democracia frustra algumas pessoas porque não entrega ao mandatário um poder desmesurado de fazer qualquer coisa que ele queira. Isso é fonte de frustração porque ainda esperamos que o presidente seja um imperador e decrete sumariamente o fim da fome, da guerra, da inflação e da pobreza.

Thursday, November 06, 2008

Arte de Letícia Galizzi e poema de Paulo Moreira

Mash-up 4 – Robert Browning

Ele fez essa carne
de gente, essa bolha
inflada, essa massa
socada que engarrafa
e gruda no chão da terra
essa alma humana, bafo
da boca dEle, vaporosa
vertigem de cinza e nada.

Ele faz aparecer nessa mesma
massa de carne esses picos
e rachaduras por onde
esse vapor engenhoso, esse fogo
esbelto, essa música
delgada, essa coluna de silêncio
puro, esse rio assombroso
que se levanta do leito e flui
pelos ares, que escapa assim de volta
à fonte, sempre um pouco antes da hora.

Isso e tudo mais nesse inferno
que é o artesanato Seu aqui na terra
me aparece assim:
torcido e torneado
com tinta que escorre da Sua boca
e se condensa no papel
jornal de um livrinho vagabundo
jogado num canto cheio
de entulho sobre-humano.

Formigueiros crescendo
dentro de uma caixa de ferro:
Ele nos quer assim:
sem caber dentro.

Wednesday, November 05, 2008

Diário do Império - Eleições 3




Obama ganhou e o mesmo tipo de esperança eufórica que aconteceu no Brasil com a primeira eleição de Lula se espalha pelos Estados Unidos. Mas aqui há uma diferença fundamental: o partido democrata tem agora uma maioria sólida no senado e na câmara. Mas também não custa lembrar que o democrata Lyndon Johnson [vice de Kennedy que o substituiu em 1963] ganhava com uma maioria ainda mais estrondosa do ultra-conservador Barry Goldwater, que ganhou apenas 6 estados. Acho que qualquer brasileiro sabe o que aconteceu em 1964 e como foi a atuação do governo americano. Um resumo do governo de Lyndon Johnson: consolidar a luta pelos direitos civis e o fim do apartheid americano em casa e Vietnã lá fora.

Tuesday, November 04, 2008

Diário do Império - Eleições 2


Meu filho de 7 anos "votou" hoje na escola, onde, ele me disse, Obama ganhou por larga margem. Eu não gosto de ficar falando de política com meu filho - nessa idade ele apenas repetem o que a gente diz sem muita reflexão e tento não ceder à vaidade de ver meu discurso político na boca de um menino de 7 anos, mas neutralidade tem seus limites. O debate "político" do Samuel aconteceu, portanto, na escola dele, e durante o fim de semana, enquanto a gente dava uma volta juntos - ele chupando um geladíssimo picolé do Homem Aranha numa tarde para mim gelada [menos de 10 graus], ele me explicou que ambos candidatos "tinham coisas ruins e coisas boas": que Obama queria a paz enquanto McCain queria guerra, mas que Obama "tirava dinheiro das pessoas e dava para o governo" e McCain não fazia isso. Ele me perguntou o que eu achava. Eu disse que não gostava de guerra e por isso preferia que o Obama ganhasse, mas que eu não podia votar porque era estrangeiro, então não tinha opinião muito forte sobre o assunto.

Monday, November 03, 2008

Diário do Império - Eleições

Eu cada vez mais gosto do sistema distrital de eleições - quem quiser ter uma idéia de como a coisa funciona pode conferir esse mapa muito interessante do New York Times, onde dá para ver estado a estado, distrito a distrito, como anda a briga entre democratas e republicanos:
http://elections.nytimes.com/2008/congress/house.html
Já o sistema de colégio eleitoral para eleição para presidente é uma bela porcaria. Todos os votos de um estado vão para um dos lados, não importando quantos votos o lado perdedor teve [perder com 49% ou com 2% dá quase na mesma]. Isso faz com que a eleição seja disputada basicamente onde as campanhas acham que têm chancer de ganhar [Flórida, Virgínia, etc] e bastante morna onde as coisas estão, de acordo com as pesquisas, resolvidas [ah, as pesquisas...].
http://elections.nytimes.com/2008/president/whos-ahead/key-states/map.html

Sunday, November 02, 2008

Personagens Secundários Memoráveis - Goodhue Coldfield [e Rosa Coldfield]

He had closed his store permanently and was at home all day now. He and Miss Rosa lived in the back of the house, with the front door locked and the front shutters closed and fastened, and where, so the neighbors said, he spent the day behind one of the slightly opened blinds like a picquet on post, armed not with a musket but with the big family bible in which his and his sister's birth and his marriage and Ellen's birth and marriage and the birth of his two grandchildren and of Miss Rosa, and his wife's death (but not the marriage of the aunt; it was Miss Rosa who entered that, along with Ellen's death, on the day when she entered Mr. Coldfield's own and Charles Bon's and eve Sutpen's) had been duly entered in his neat clerk's hand, until a detachment of troops would pass: whereupon he would open the bible and declaim in a harsh voice even above the sound of the tramping feet, the passages of the old violent vindictive mysticism which he had already marked as the actual picquet would have ranged his row of cartridges along the window sill. Then one morning he learned that his store had been broken into and looted, doubtless by a company of strange troops bivouacked on the edge of town and doubtless abetted, if only vocally, by his own fellow citizens. That night he mounted to the attic with his hammer and his handful of nails and nailed the door behind him and threw the hammer out the window. He was not a coward. He was a man of uncompromising moral strength, coming into a new country with a small stock o goods and supporting five people out of it in comfort and security at least. He did it by close trading, to be sure: he could not have done it save by close trading or dishonesty; and as your grandfather said, a man who, in a country such a Mississippi was then, would restrict dishonesty to the selling of straw hates and hame strings and salt meat would have been already locked up by his own family as a kleptomaniac. But he was not a coward, even though his conscience may have objected, as your grandfather said, no so much to the idea of pouring out human blood and life, but at the idea of waste: of wearing out and eating up and shooting away material in any cause whatever.
--.William Faulkner, Absalom, Absalom!