Thursday, November 29, 2012

Só o amor constrói?! - Parte 3

Sem brincadeira, às vezes a produtividade do rancor da Fiona Apple me dá medo:

-->
Regret
Fiona Apple

‘Member when we argued on the concept of regret?
You were an expert even then but not me, not yet.
Now all you got to do's remind me that we met.
And there you got me, that's how you got me,
you taught me to regret

‘Member how I asked you why are you so mean?
You didn't know how to react to being seen
I tried to be your friend, you made me ‘shamed, now I'm getting even
and there you got me,
that's how you got me,
you taught me to be mean

I ran out of white dove feathers
to soak up the hot piss that comes through your mouth
every time you address me.

‘Member when I was so sick and you didn't believe me?
Then you got sick too, and guess who took care of you?
You hated that, didn't you? Didn't you?
Now when you look at me, you're condemned to see
the monster your mother made you to be
and there you got me,
that's how you got free,
you got rid of me.

I ran out of white dove feathers
to soak up the hot piss that comes through your mouth
every time you address me.

Alone
Leave me alone
Leave me alone, leave me alone
Leave me alone, leave me alone
Alone


Wednesday, November 28, 2012

Só o amor constrói?! - Parte 2


Garro jovem
Garro velhinha


E ainda falando em produtividade literária, vejam só que maravilha a abertura do conto mais famoso de Elena Garro, “La culpa es de los Tlaxcaltecas” [Os tlaxcaltecas eram inimigos dos astecas que ajudaram os espanhóis de Cortés na conquista do México]:

Nacha oyó que llamaban en la puerta de la cocina y se quedó quieta. Cuando volvieron a insistir abrió con sigilo y miró la noche. La señora Laura apareció con un dedo en los labios en señal de silencio. Todavía llevaba el traje blnaco quemado y sucio de tierra de sangre.
— ¡Señora!… —suspiró Nacha.
La señora Laura entró de puntillas y miró con ojos interrogantes a la cocinera. Luego, confiada, se sentó junto a la estufa y miró su cocina como si no la hubiese visto nunca.
— Nachita, dame un cafecito…Tengo frío.
— Señora, el señor… el señor la va a matar. Nosotros ya la dábamos por muerta.
— ¿Por muerta?
Laura miró con asombro los mosaicos blancos de la cocina, subió las piernas sobre la silla, se abrazó las rodillas y se quedó pensativa. Nacha se puso a hervir el agua para hacer el café y miró de reojo a su patrona; no se le ocurrió ni una palabra más. La señora recargó la cabeza sobre las rodillas, parecía muy triste.
— ¿Sabes, Nacha? La culpa es de los tlaxcaltecas.
Nacha no contestó, prefirió mirar el agua que no hervía.
Afuera la noche desdibujaba las rosas del jardín y ensombrecía a las higueras. Muy atrás de las ramas brillaban las ventanas iluminadas de las casas vecinas. La cocina estaba separada del mundo por un muro invisible de tristeza, por un compás de espera.
— ¿No estás de acuerdo, Nacha?
— Sí, señora…
— Y soy como ellos, traidora… dijo Laura con melancolía.
La cocinera se cruzó de brazos en espera de que el agua soltara los hervores.
— ¿ Y tú, Nachita, eres traidora?
La miró con esperanzas. Si Nacha compartía su calidad de traidora, la entendería, y Laura necesitaba que alguien la entendiera esa noche.
Nacha reflexionó unos instantes, se volvió a mirar el agua que empezaba a hervir con estrépito, la sirvió sobre el café y el aroma caliente la hizo sentirse a gusto cerca de su patrona.
— Sí, yo también soy traicionera, señora Laurita.

Tlaxcaltecas entrando Tenochtitlán adentro com os espanhóis...

Tuesday, November 27, 2012

Só o amor constrói?!


No mundo cor-de-rosa todos os escritores fazem livros para salvar o mundo da maldade, pregar a liberdade e a felicidade geral da nação e trazer paz e amor ao mundo. No mundo real muita coisa muito excelente já foi escrita em cima de coisas nada cor-de-rosas, como por exemplo, medo e ódio, mesclados nesse estado de fabulação compulsiva comumente diagnosticado como paranóia. Vejam o caso da escritora Elena Garro, que numa entrevista disse o seguinte do seu ex-marido:

"Yo vivo contra él, estudié contra él, hablé contra él, tuve amantes contra él, escribí contra él y defendí a los indios contra él. Escribí de política contra él, en fin, todo, todo, todo lo que soy es contra él. Mira, Gabriela, en la vida no tienes más que un enemigo y con eso basta. Y mi enemigo es Paz."

Dá até para traduzir o trem como um belo poema de escárnio. Olha só:

Garro contra Paz
“Vivo contra ele,
Estudei contra ele,
Falei contra ele,
Tive amantes contra ele,
Escrevi contra ele
E defendi os índios contra ele.

Olha, Gabriela,
Na vida não temos
mais que um inimigo,
e já basta.
O meu inimigo é Paz.”

Elena Garro quando casada com o seu inimigo


Monday, November 26, 2012

Ornamento do Mundo

Trecho de Ornament of the World de María Rosa Menocal:

"In the end, it would be al-Andalus's vast intellectual wealth, inseperable from its prosperity in the material realm, that made it the 'ornament of the world.'
The rich web of attitudes about culture, and the intellectual opulence that it symbolized, is perhaps only suggested by the caliphal library of (by one account) some four hundred thousand volumes, and this at a time when the largest library in Christian Europe held no more than four hundred manuscripts. Cordoba's caliphal library was itself one of seventy libraries in a city that apparently so adored books that there were seventy copists in the book market who worked exclusively on copying Qurans."


Abd al Rahman I, príncipe exilado
 da dinastia dos Umayyads que foi para a península ibérica
Córdoba, capital do califado

Friday, November 23, 2012

O dia do peru

O aniversário de Mark Twain às vezes coincidia com o Dia de Ação de Graças. Quando fez setenta anos, consagradíssimo no seu país, Twain disparou um discurso demolidor sobre o Dia do Peru. Começou “revelando” o segredo da sua longevidade:

As an example to others, and not that I care for moderation myself, it has always been my rule never to smoke when asleep, and never to refrain when awake.

E depois tirou a máscara do piedade cristã/puritana que move o dia e o país do dia:

Foto minha: peru de fazenda, não do mato, me olhando com olhar desconfiado...
Thanksgiving Day, a function which originated in New England two or three centuries ago when those people recognized that they really had something to be thankful for—annually, not oftener—if they had succeeded in exterminating their neighbors, the Indians, during the previous twelve months instead of getting exterminated by their neighbors the Indians. Thanksgiving Day became a habit, for the reason that in the course of time, as the years drifted on, it was perceived that the exterminating had ceased to be mutual and was all on the white man's side, consequently on the Lord's side, consequently it was proper to thank the Lord for it and extend the usual annual compliments. The original reason for a Thanksgiving Day has long ago ceased to exist—the Indians have long ago been comprehensively and satisfactorily exterminated and the account closed with Heaven, with the thanks due. But, from old habit, Thanksgiving Day has remained with us, and every year the President of the United States and the Governors of all the several States and the territories set themselves the task, every November, to advertise for something to be thankful for, and then they put those thanks into a few crisp and reverent phrases, in the form of a Proclamation, and this is read from all the pulpits in the land, the national conscience is wiped clean with one swipe, and sin is resumed at the old stand.

Mais sobre o mais "anti-americano" dos ícones americanos e o Dia do Peru, aqui.

Thanksgiving Day, a function which originated in New England two or three centuries ago when those people recognized that they really had something to be thankful for—annually, not oftener—if they had succeeded in exterminating their neighbors, the Indians, during the previous twelve months instead of getting exterminated by their neighbors the Indians. Thanksgiving Day became a habit, for the reason that in the course of time, as the years drifted on, it was perceived that the exterminating had ceased to be mutual and was all on the white man's side, consequently on the Lord's side, consequently it was proper to thank the Lord for it and extend the usual annual compliments. The original reason for a Thanksgiving Day has long ago ceased to exist—the Indians have long ago been comprehensively and satisfactorily exterminated and the account closed with Heaven, with the thanks due. But, from old habit, Thanksgiving Day has remained with us, and every year the President of the United States and the Governors of all the several States and the territories set themselves the task, every November, to advertise for something to be thankful for, and then they put those thanks into a few crisp and reverent phrases, in the form of a Proclamation, and this is read from all the pulpits in the land, the national conscience is wiped clean with one swipe, and sin is resumed at the old stand.

Read more: http://www.newyorker.com/online/blogs/books/2010/11/mark-twain-thanksgiving.html#ixzz2D1FOJCaw
Thanksgiving Day, a function which originated in New England two or three centuries ago when those people recognized that they really had something to be thankful for—annually, not oftener—if they had succeeded in exterminating their neighbors, the Indians, during the previous twelve months instead of getting exterminated by their neighbors the Indians. Thanksgiving Day became a habit, for the reason that in the course of time, as the years drifted on, it was perceived that the exterminating had ceased to be mutual and was all on the white man's side, consequently on the Lord's side, consequently it was proper to thank the Lord for it and extend the usual annual compliments. The original reason for a Thanksgiving Day has long ago ceased to exist—the Indians have long ago been comprehensively and satisfactorily exterminated and the account closed with Heaven, with the thanks due. But, from old habit, Thanksgiving Day has remained with us, and every year the President of the United States and the Governors of all the several States and the territories set themselves the task, every November, to advertise for something to be thankful for, and then they put those thanks into a few crisp and reverent phrases, in the form of a Proclamation, and this is read from all the pulpits in the land, the national conscience is wiped clean with one swipe, and sin is resumed at the old stand.

Read more: http://www.newyorker.com/online/blogs/books/2010/11/mark-twain-thanksgiving.html#ixzz2D1FOJCaw

Wednesday, November 21, 2012

Onde educação e cultura se tocam

-->

Ahmir "Questlove" Thompson [baterista e “maestro” da banda The Roots] é o resultado de uma cultura que, apesar de tudo, ainda é capaz de oferecer uma educação musical de primeira qualidade a um jovem de classe média baixa da Philadelphia. Questlove trazia de casa uma forte cultura musical, tocando com os pais desde menininho; mas a oportunidade de estudar música num ambiente de alto nível deu a ele uma sofisticação invejável. Você tem acesso a um perfil interessante dele aqui. Talentos parecidos no Brasil tem que se esfalfar no autodidatismo, sem acesso sequer a instrumentos de mínima qualidade, sem professores, sem acesso a própria história da cultura musical de que fazem parte. Aqui você vê trechos de um documentário em que Questlove dá a sua visão pessoal do que significou um certo Michael Jackson, musicalmente e culturalmente.   

Sunday, November 18, 2012

Primeira parte do poema de Louise Glück


"Andrógino" de Ismael Nery
Fuga
Louise Glück

1.
Porque eu era a mais alta eu fazia o homem.
Minha irmã era a que dizia
a que horas a gente comia.
De tempos em tempos ela paria.

2. 
Aí minha alma apareceu.
Quem é você, eu perguntei. 
E minha alma respondeu,
Eu sou sua alma, o estranho irresistível. 

3.
Nossa irmã morta
esperava, desconhecida na cabeça da minha mãe.
Nossa irmã morta não era nem
homem nem mulher. Ela era feito uma alma. 

4.
Minha alma foi enganada:
se atou a um homem.
Não um homem de verdade, o homem
que eu fingia ser, brincando com a minha irmã.

5.
Está voltando para mim – deitar-se no sofá
refresca minha memória.
Minha memória é feito um porão cheio de papéis velhos:
nada muda nunca.

Essas são as primeiras cinco partes do poema, que tem dez partes. O original em inglês você encontra aqui.

Thursday, November 15, 2012

Pockets of Misery Persist 2

"the composer  drops all masks and, at the age of eighty-two, stands before you naked."
Nathan Zuckerman sobre "As Quatro Últimas Canções" de Strauss no último livro de Philip Roth

Wednesday, November 14, 2012

Pockets of Misery Persist



James Wood sobre os últimos romances de Philip Roth: "the struggle between the vitality of sex and the fatality of the body"

Tuesday, November 13, 2012

Escavando notas


Era uma vez um péssimo aluno de arquitetura que leu isso aqui:

Nonstraightforward Architecture: A Gentle Manifesto

“I like elements which are hybrid rather than pure, compromising rather than clean, distorted rather than straightforward, ambiguous rather than articulated, perverse as well as impersonal, boring as well as interesting, conventional rather than designed, accommodating rather than excluding, redundant rather than simple, vestigial as well as innovating, inconsistent and equivocal rather than direct and clear. I am for messy vitality over obvious unity. I include the non sequitur and proclaim the duality. I am for richness of meaning rather than clarity of meaning; for the implicit function as well as the explicit function. I prefer ‘both-and’ to ‘either-or’, black and white, and sometimes gray, to black or white.”
Robert Venturi, Complexity and Contradiction, 16  

Séculos mais tarde ele esbarra de falar em complexidade e contradição na noção de identidade e a coisa toda volta à sua mente feito uma azia causada por uma madeleine mofada.

Monday, November 12, 2012

Recordar é viver: Gypsy

Eu era ainda quase um adolescente e gostava de Led Zepellin e Pink Floyd e coisas assim quando minha cunhada me deu de presente um disco de um tal de Fleetwood Mac. Nada ali era como as coisas que eu andava escutando, mas eu fui escutando o disco e essa  canção me pegou de jeito. É de Stevie Nicks sobre as memórias do passado então recente da Califórnia, sobre a saudade com a perda de uma grande amiga. O vídeo é típico dos anos 80, barangada total:

 
Gypsy
So I'm back to the velvet underground,
back to the floor that I love,
to a room with some lace and paper flowers.
Back to the gypsy that I was,
to the gypsy that I was.

And it all comes down to you.
Well, you know that it does.
Well, lightning strikes, maybe once, maybe twice.
Ah, and it lights up the night and you see your gypsy.
You see your gypsy!

To the gypsy that remains
and faces freedom with a little bit of fear.
I have no fear, I have only love
And if I was a child
And the child was enough
Enough for me to love
Enough to love

She is dancing
away from me now
She was just a wish.
She was just a wish.
And a memory is all that is left of you now.
You see your gypsy.
And you see your gypsy.

Lightning strikes, maybe once, maybe twice,
and it all comes down to you.
And it all comes down to you,
lightning strikes, maybe once, maybe twice.

I still see your bright eyes, bright eyes.


Sunday, November 11, 2012

Ela


"She is coming, my own, my sweet;
    Were it ever so airy a tread,
My heart would hear her and beat,
    Were it earth in an earthy bed;
My dust would hear her and beat,
    Had I lain for a century dead;
Would start and tremble under her feet,
    And blossom in purple and red."


A última estrofe de "Maud" de Alfred Tennyson

Wednesday, November 07, 2012

Boletim Quintal

-->
Boletim eleições no meu quintal [entre o último furacão e a primeira nevasca do ano]:

No condado de New Haven [um aglomerado de 25 cidades em volta aqui de New Haven] os resultados da eleição são bastante claros, ainda que a velocidade da apuração daqui dos Estados Unidos em geral seja do tempo das carroças:

Nossa deputada federal [o voto aqui é distrital] será, de novo, a democrata Rosa de Lauro, que representa o nosso condado há 21 anos, desde 1991. Todos os cinco deputados federais do estado de Connecticut serão democratas.

O democrata Chris Murphy ganhou a vaga do senado que pertencia ao aposentado e [na minha opinião] péssimo Joe Liberman. Assim todos os senadores de Connecticut serão democratas.

E Obama teve 59,8%  dos votos no condado como um todo, mas na nossa cidade de New Haven Obama teve 90.07% dos votos! 


Tuesday, November 06, 2012

Toda insanidade coletiva tem sua lógica interna

Paul Krugman e Robin Wells sobre o desastre americano, que continua amanhã independentemente de quem ganhar a eleição:

"... for three decades before the financial crisis American politics and policy had been increasingly dominated by laissez-faire ideology, by the belief that markets—and financial markets in particular—should be allowed to run free. Then came the inevitable crash. But far from demanding a return to stronger regulation, much of the American electorate turned to the view that the crisis was caused by too much government intervention, and rallied around politicians aiming to dive even deeper into the policies that led to crisis in the first place."

e depois:

"We have a depressed economy in large part because Republicans have blocked almost every Obama initiative designed to create jobs, even refusing to confirm Obama nominees to the board of the Federal Reserve. (MIT’s Peter Diamond, a Nobel laureate, was rejected as lacking sufficient qualifications.) We have a huge battle over deficits, not because deficits actually pose an immediate problem, but because conservatives have found deficit hysteria a useful way to attack social programs."

Saturday, November 03, 2012

Um alô dos mortos!

A morte prisioneira prepara-se para sair...

Esta aí embaixo é a primeira parte de "Muerte sin fin" de José Gorostiza. É um dos melhores poemas do século XX para mim. Não deve absolutamente nada a T.S. Eliot e outros congêneres, mas é quase desconhecido no Brasil. Porque? Pelo mesmo motivo que "A máquina do mundo" é quase desconhecido fora do Brasil. Antes de reclamar da mentalidade colonizada do resto do mundo, eu acho que é melhor a gente cuidar de combater a nossa própria. Além do mais, o que somos enquanto vivos senão uns sacos de água esperando o dia de se esvaziar? Somos o saco? Somos a água?

I

Lleno de mí, sitiado en mi epidermis
por un dios inasible que me ahoga,
mentido acaso
por su radiante atmósfera de luces
que oculta mi conciencia derramada,
mis alas rotas en esquirlas de aire,
mi torpe andar a tientas por el lodo;
lleno de mí -ahíto- me descubro
en la imagen atónita del agua,
que tan sólo es un tumbo inmarcesible,
un desplome de ángeles caídos
a la delicia intacta de su peso,
que nada tiene
sino la cara en blanco
hundida a medias, ya, como una risa agónica,
en las tenues holandas de la nube
y en los funestos cánticos del mar
-más resabio de sal o albor de cúmulo
que sola prisa de acosada espuma.
No obstante -oh paradoja- constreñida
por el rigor del vaso que la aclara,
el agua toma forma.
En él se asienta, ahonda y edifica,
cumple una edad amarga de silencios
y un reposo gentil de muerte niña,
sonriente, que desflora
un más allá de pájaros
en desbandada.
En la red de cristal que la estrangula,
allí, como en el agua de un espejo,
se reconoce;
atada allí, gota con gota,
marchito el tropo de espuma en la garganta
¡qué desnudez de agua tan intensa,
qué agua tan agua,
está en su orbe tornasol soñando,
cantando ya una sed de hielo justo!
Mas qué vaso -también- más providente
éste que así se hinche
como una estrella en grano,
que así, en heroica promisión, se enciende
como un seno habitado por la dicha,
y rinde así, puntual,
una rotunda flor
de transparencia al agua,
un ojo proyectil que cobra alturas
y una ventana a gritos luminosos
sobre esa libertad enardecida
que se agobia de cándidas prisiones!

O resto do poema está aqui.

Friday, November 02, 2012

Quatro séculos de reformas

Arcada encontrada no cemitério dos pretos novos no Valongo
-->

XVIII
Em 1758 as autoridades do Rio de Janeiro, preocupadas com a imagem da cidade e a higiene pública, decidiram deslocar as atividades relacionadas com o tráfico de escravos do principal porto da cidade para o que era então uma área periférica, o Valongo. Ali foi se construindo um complexo: um cais, centros de “triagem,” uma rua com depósitos e mercados e um cemitério de “Pretos Novos” (para os escravos recém chegados que morriam na chegada). As descrições do cemitério feitas por testemunhas oculares na época me lembram as célebres cenas de Auschvitz: pilhas e pilhas de corpos mal-enterrados em covas rasas, as carnes podres expostas no meio da lama.

XIX
Após a proibição formal do tráfico de escravos em 1831 (a famosa lei para inglês ver), o Valongo foi “apagado” pelas autoridades da cidade, construindo-se em cima dele o “Cais da Princesa,” projeto do arquiteto modernizador da cidade (o francês Grandjean Montigny) para receber com pompa e estilo a esposa do imperador D. Teresa Cristina, que chegava fresquinha da Europa em 1843.

XX
As grandes reformas do prefeito Pereira Passos (1902-1905) queriam transformar o centro do Rio de Janeiro numa espécie de Paris moderna e, além da construção de avenidas bem largas e retinhas como a Rio Branco, incluíam a remoção do casario colonial e de morros inteiros da cidade. Sobrou até para o Morro do Castelo, lugar da fundação e das primeiras construções da cidade. Procuravam nos intestinos do morro um suposto tesouro dos Jesuítas, que tiveram que sair com uma mão na frente e outra atrás da cidade no século XVIII, mas só produziram mesmo terra e entulho que serviu para aterros diversos e “apagou” o Cais da Princesa em tempos de república. 

XXI
As autoridades da cidade do Rio de Janeiro aproveitam as Olimpíadas para “revitalizar” a deteriorada zona portuária do Rio de Janeiro com um conjunto de obras chamado de “Projeto Porto Maravilha”. Desenterram o Cais da Princesa mas trombam também com o Valongo, inclusive com o famigerado cemitério. O prefeito da cidade disse aos jornais [http://extra.globo.com/noticias/rio/escavacoes-de-obra-de-drenagem-da-zona-portuaria-encontram-restos-dos-cais-da-imperatriz-do-valongo-1188339.html], “Vou fazer uma praça como em Roma. Ali estão as nossas ruínas romanas.” Não sei não, afinal eu não fui até lá ainda, mas acho que estaria mais para um “ali está nosso Auschwitz.”

Thursday, November 01, 2012

Chernoviz: Os acidentes e os remédios do amor


Os acidentes
Se considerarmos quanto são freqüentes e quão graves podem ser os accidentes do amor, facilmente convencer-nos-hemos de que os signaes que revelam esta paixão não são noções de mera curiosidade. Com effeito, não somente o amor excessivo distrahe das occupações, dos
(leveres sociaes, perturba todas as funeções e pode produzir o marasmo, mas até as suas conseqüências possíveis e mui freqüentes são desastrosas e variadas. Se as conveniências se oppòem á união, tem-se em perspectiva a immoralidade. O amor contrariado conduz á alienação mental, á melancolia, ao suicídio. Os jornaes regorgitam de narrações d'else gênero. Quantas pessoas, sem acabarem tão deploravelmenle, conservam no resto de sua existência uma sensibilidade e tristeza profunda! E quantas desgraças d’este gênero não poderiam ser prevenidas!

O remédio
A união dos amantes, se as conveniências o permittem, é o melhor remédio do amor. No caso contrario, a isolaçáo é uma das primeiras condições. Numa linguagem cheia de ternura e de razão, expõe-se ao amante desditoso os motivos que exigem a ruptura de todas as relações com a pessoa a quem deve renunciar, e que convém não tornar mais a ver. N'esse momento penoso as palavras que se lhes dirigem devem ser sem amargura nem cólera, porque, culpados ou innocentes, os amantes merecem compaixão. Cessar de se vêr, desesperar de se pertencer, é uma sentença horrível para elles; mas o tempo, nesta circumstancia como em muitas outras, trará suas  consolações. A duração da paixão será sem duvida mais ou menos longa, segundo o gráo de intensidade que adquirio, e segundo a constituição physica ou moral do indivíduo; mas raras vezes resistirá á ausência e ao tempo, que produzem o esquecimento. Entretanto, não devemos limitar-nos a estes meios naturaes; é preciso favorecer a sua acção por todos os outros (pie nos forem possíveis. O nome da pessoa querida nunca deve ser pronunciado; multipliquem-
se-lhes as distracções de natureza agradável, e não se deixem os interessantes doentes de amor meditarem na solidão ou ficarem silenciosos na sociedade. Os passeios, os exercícios quotidianos levados até á fadiga, serão um poderoso recurso. Nada iguala a mudança de logar e o bom effeito das viagens, a não ser talvez, a formação de alguma outra união conveniente.