Friday, August 31, 2012

Carta Aberta ao Povo do México - Uma Lição em forma de perguntas


This is the html version of the file http://www.yosoy132media.org/wp-content/uploads/2012/08/%C2%A0Carta-abierta-al-pueblo-de-M%C3%A9xico.pdf.
Google automatically generates html versions of documents as we crawl the web.

Carta abierta al pueblo de México.
¿Qué democracia es ésta?
En los próximos días el Tribunal Electoral del Poder Judicial de la Federación, máximo órgano judicial
electoral, dará un fallo inapelable como respuesta a los graves cuestionamientos generados durante el
reciente proceso electoral. Dada la abundante evidencia de delitos electorales, documentados por la
Comisión de Vigilancia de este Movimiento, concluimos que el ejercicio ciudadano libre e informado no
pudo llevarse a cabo conforme a lo establecido en la Constitución. El movimiento #YoSoy132 ve
como una necesidad urgente que el pueblo mexicano se formule preguntas.
¿Qué democracia es ésta donde siete magistrados con sueldos millonarios deciden el rumbo de la
cuestionada elección presidencial y con ello el destino de nuestra patria? ¿Qué clase de democracia es ésta
donde hay gente que renuncia al voto libre con tal de comer un día?
¿Qué clase de telenovela es ésta que quieren presentarnos como una democracia? ¿A quién
le sirve esta democracia, donde se puede ganar una elección sin respetar las reglas de campaña?
¿Es democrático un sistema donde más del 50% del electorado no votó por el ganador, donde de 5
elecciones 3 son fraudes, uno es un pacto y en la otra se asesinó a uno de los candidatos?
¿Qué clase de democracia es ésta donde la clase política tiene miles de millones a su disposición, mientras
en educación y ciencia se regatea el presupuesto?
¿Qué democracia es ésta donde los políticos se arrodillan ante el poder del dinero, donde los partidos
políticos son, con cinismo, negocios familiares?
¿Qué clase de democracia es ésta donde no existe soberanía alimentaria, donde el progreso es sinónimo
de depredación de la tierra y de las culturas?
¿Es esto una democracia si hay millones de jóvenes sin escuela ni trabajo? ¿Es democrático un país donde
el hambre expulsa a millones de personas, donde hay más vacantes de sicario que lugares en la educación
pública?
¿Qué democracia es ésta en donde existe el fenómeno demencial de las llamadas narcofosas, donde los
defensores de derechos humanos son tratados como delincuentes y los criminales como
defensores de derechos humanos?
¿Es democrático un país donde tenemos a más de 50 millones de pobres y al mismo tiempo a uno de los
hombres más ricos del mundo? ¿Es democrático un país donde el derecho a la salud y a la seguridad social
son mostrados como favores?
¿Qué democracia es ésta, donde no hay frontera entre la clase política y el narcotráfico, como las
fotografías nos dejan ver, donde las evidencias de lavado de dinero se premian con un silencio cómplice?


¿Se le puede llamar democracia al sistema político que desconoce las formas de gobierno
de los pueblos originarios?
¿Qué clase de democracia es ésta donde ser mujer es propuesta de campaña, donde se puede ser
presidente después gobernar al Estado con más feminicidios del país? ¿Llaman a esto democracia
mientras los cuerpos y vidas de mujeres y niños son usados como moneda de cambio del poder?
¿Qué democracia es ésta donde manifestarse es un delito y ser periodista el oficio más peligroso del país?
¿Qué democracia es ésta donde represores extranjeros se convierten en asesores de Seguridad Nacional?
¿Qué democracia es ésta en donde los ciudadanos no pueden impugnar una elección y sólo los partidos
pueden hacerlo? ¿Qué democracia es ésta donde su mejor reforma política permite tomar protesta en
cualquier sitio, quizás en un baño?
¿Es democrático un sistema donde, tan sólo en el área metropolitana, 190 mil jóvenes son excluidos de la
educación superior?
¿Puede llamarse democrático un modelo que pretende hacernos creer que la política sólo
es votar cada seis años, aunque ni eso respetan?
¿Qué democracia es ésta en donde miles de estudiantes salen de sus aulas para que respondan a estas
preguntas y a la clase política no le importa?
¿Es ésta la democracia de la que ustedes hablan?
Se equivocaron de generación, no seremos cómplices de su discurso hueco, de su cinismo. Se
quedarán solos con su fallo judicial, mientras nuestras preguntas los persiguen. Vamos a cercar sus
mentiras con preguntas, cuestionamientos éticos y legales. Se quedarán solos con su fallo si pretenden
presentarnos y avalar esta vergüenza como democracia. Vamos a decirle al mundo que su
democracia es ILEGAL e ILEGÍTIMA porque evidentemente es un FRAUDE, una democracia que
tiene sentido sólo para quienes se han llenado de riqueza, mientras nuestro país vive de
violencia, desempleo, miseria y dolor.
Convocamos a la gente a plantear más preguntas, a manifestarlas y plasmarlas en diversos espacios y
acciones. Ésta no es la generación del silencio cómplice, somos suma de voces. El movimiento #YoSoy132
lanza ahora una gran interrogante. La siguiente tarea es construir las respuestas, éstas vendrán sólo del
pueblo, nunca de la élite en el poder.
“Si no ardemos juntos, ¿quién iluminará esta oscuridad?”
Por una democracia auténtica.
#YoSoy132


Wednesday, August 29, 2012

Cinema Latino Americano - Grandes Estrelas

Tônia Carrero destruía corações como artista de circo
María Félix destruía corações como Doña Bárbara
Ninon Sevilla botava para quebrar como cabaretera e cantava/dançava música cubana e brasileira nos clássicos mexicanos.
Carmen Miranda era portuguesa e inventou com Caymi uma certa baiana que botou para quebrar em Hollywood.

Monday, August 27, 2012


E aproveitando o post passado, uma reflexão com a qual eu me identifico bastante quando escrevo sobre livros/filmes:

"To condemn films, to say they are bad, or shallow or slipshod, or immoral because of their commercial appeal, or unlikeable or stupid…whatever – I have never known how to do that. I’m bored by it and not very good at it. It literally does not interest me. It’s work, really hard work, very difficult, and it’s good that there are still critics who know how to do it (what’s more, there are fewer and fewer of them), but I do not wish to do that work.

So deep down I am not a real critic. Or whatever of the critic is in me only works at full capacity (I should say, to my best possible standard) in the initial preliminary choice of what to write about, which film, director or issue. I don’t write on all the films or directors that I like, far from it. But today, in any case, if I write about a film, it is because I like it."

Sylvie Pierre, 2002 em entrevista disponível aqui


Friday, August 24, 2012

Diário da Babilônia ou tirando leite de pedra

Anthony Lane da revista New Yorker é, suponho, obrigado a escrever resenhas sobre essas porcarias de Hollywood que ocupam nove em dez salas de cinema pelo mundo afora. Pelo menos ele se diverte um pouco, e me diverte também. Eis um exemplo, um trecho da resenha de Rock of Ages:

"None of these characters are drawn with subtlety or care, although all relevant actors get to sing, apparently undubbed, which I guess is consolation of a kind. What they belt out, instead of original compositions, is a selection of hits from the nineteen-eighties, most of which I have spent the past quarter of a century trying fervently to forget."





Em português: "Nenhum desses personagens é desenhado com sutileza ou cuidado, embora todos os atores importantes cantem, aparentemente sem dublagem, o que eu suponho é uma espécie de consolo. O que eles berram sem dó, ao invés de canções originais, é uma seleção de sucessos dos anos 80, a maioria dos quais eu venho tentando fervorosamente esquecer nos últimos 25 anos."

Wednesday, August 22, 2012

Voltamos. A viagem foi sem surpresas e mesmo sem surpresas é uma viagem dura e longa - quase vinte e quatro horas se contarmos a saída de Belo Horizonte para Confins e a viagem de Nova Iorque para New Haven. Mas não só pelo longo percurso de táxi, avião pequeno, avião grande e carro até chegar em casa que essa viagem é dura. A viagem é dura por causa das muitas despedidas em Belo Horizonte, duras despedidas porque sabemos que agora só daqui há quase um ano, porque sabemos que morar em dois lugares ao mesmo tempo é, no fim das contas, uma ilusão.
A chegada é bem melhor: calor de fim de verão e a meninada de chinelo de dedo na rua, cogumelos frescos e cerejas gordinhas no supermercado, nossa casa dos anos 30 com suas janelas amplas e pé-direito bem alto, os livros e presentes que chegaram da viagem intactos.
O sol morto do Códice Bórgia desenhado por Covarrubias
Adeus, Belo Horizonte.

Monday, August 20, 2012

Poesia minha


Belo Horizonte de Pedra  

De onde veio essa pedra
que o asfalto agora afoga?

Do Acaba Mundo, Carapuça
Prado Lopes, Lagoinha,
e o Morro das Pedras.

Quem, lá do alto,
perfurava blocos
no Acaba Mundo, Carapuça
Prado Lopes, Lagoinha,
e o Morro das Pedras?

Quem, logo abaixo,
broqueava rocha
no Acaba Mundo, Carapuça
Prado Lopes, Lagoinha,
e o Morro das Pedras?

Quem, logo ao lado,
tinia a marreta
dos cavoqueiros
nos blocos de pedra
de cor igual?

Quem catava com a alavanca
e puxava para a prancha
tanta pedra
tão manchada de suor
no Acaba Mundo, Carapuça
Prado Lopes, Lagoinha,
e o Morro das Pedras?

Quem, no telheiro,
desbastava os blocos,
retinindo os picões
no Acaba Mundo, Carapuça
Prado Lopes, Lagoinha,
e o Morro das Pedras.

Quem, na ferraria,
reapontava as brocas velhas,
cansadas da guerra
no Acaba Mundo, Carapuça
Prado Lopes, Lagoinha,
e o Morro das Pedras?

De onde veio essa pedra
que o asfalto agora afoga?

Do Acaba Mundo, Carapuça
Prado Lopes, Lagoinha,
e o Morro das Pedras.

De onde veio essa saudade
do que nunca aconteceu?

Do Acaba Mundo, Carapuça
Prado Lopes, Lagoinha,
e o Morro das Pedras?

Friday, August 17, 2012

Diário da Olimpíada - Dançando na grama


Capoeira e samba também já foram "assunto de polícia" não é mesmo? Assim foi também com o Crip Walk. Pois Serena Williams botou para quebrar quando ganhou o ouro nas olimpíadas e, para expressar sua alegria, deu uns passinhos bem simples de C-Walk:



Segue um video de rua com passos mais elaborados:



Acredite se quiser, criou-se polêmica com 18 segundos de Crip Walk! Dizer o quê? Sem a cultura negra, os EUA seriam simplesmente um dos lugares mais chatos do mundo...

Wednesday, August 15, 2012

Breves notas sobre o mensalão

[Esse é um assunto bem passado, mas um excelente post no Descurvo me motivou a escrever essas breves notas cansadas. Lá fora o circo continua comendo solto com o palhaço bufão Jefferson e o palhaço triste Zé Dirceu no centro do picadeiro.]
 
O PT paga hoje seus anos de atuação como "UDN de macacão" [sábias palavras do Brizola], agora que se transformou num PTB de gravata? Acho que nem isso. O julgamento do mensalão na mídia não passa de uma novela de baixa audiência e os indignados de hoje serão os pragmáticos de amanhã e a cortina de fumaça continua ocultando a natureza do sistema que mantém as coisas como estão.
Li recentemente um artigo muito interessante sobre a situação política no México e, com todas as diferenças, o que há é um longo processo de "reformas" políticas dominado sempre pelo velho PRI em nome da continuidade. Continuidade de quê?
No caso brasileiro, na superfície fica a continuidade daquilo que veio de Minas Gerais com Eduardo Azeredo, Clésio Andrade e companhia e continuou com as articulações entre PT e PL/PP/PTB sob a batuta de José Dirceu: o uso de dinheiro do caixa 2 de empresas para amarrar o processo político a grupos econômicos [e se alguém aqui e ali fala de PSDB mineiro e se mesmo alguns bancos estão no julgamento do mensalão, NINGUEM parece interessado em saber de que caixa 2 de que empresas veio todo esse rio de dinheiro.
Só que além desse problema mais imediato, num nível mais complexo, a continuidade no caso é a da "governança corporativa" que o capitalismo tardio promove em todas as esferas políticas. Brincamos de eleições mas as decisões realmente cruciais sobre nossas vidas estão sendo tomadas em esferas onde o cidadão comum não tem acesso nem pelo elevador de serviço. Esse processo de esvaziamento da política não é um problema especificamente brasileiro nem latino-americano. Ele existe, com suas particularidades, na Espanha, Israel, no Egito, nos EUA, na França, na Inglaterra, na Grécia, na Rússia, etc. Não sei se renderia uma boa novela, mas que sabe pelo menos um filme interessante?

Monday, August 13, 2012

Viva la midia loca em Pindorama


“a imprensa é o pelourinho sem sentença”
Carlos de Laet, 1902

“Rapaz, o Policarpo Jr. [diretor da Veja em Brasília], o amigo nosso de Brasília, é mais forte que Aldrin 40 [agrotóxico inseticida].”
Cláudio Abreu conversando no telephone com Carlos Cachoeira

“Se o senhor soltar o Carlos [Cachoeira], não vamos soltar o dossiê.”
Andressa Mendonça ameaçando juiz federal

Sunday, August 12, 2012

Feliz dias dos pais

Pedra com Cicatriz, fotografia minha
Primeiro dia dos pais sem meu pai. Não que meu pai desse pelota ou me tivesse ensinado a dar pelota para o tal Dia dos Pais. Mas e daí? O fato é que ele não está aqui nem nunca mais vai estar. O fato é que todas as desculpas sobre continuidade na memória ou na carne dos filhos e netos são também balela. Mesmo que meu pai acreditasse nela. A falta existe e é irreparável e não há consolo efetivo possível além do fingimento. Já sei que agora começo a perder meus parcos leitores, mas sejamos honestos mesmo quando honestidade significa ser duro e amargo. Taí uma coisa que meu pai me ensinou pelo exemplo: esse amor perverso pela dureza e pela amargura, não não é esse meu compromisso. Meu compromisso é com a honestidade além desses joguinhos cansativos que se repetem desde sempre para nos trazer algum conforto e consolo e nos permitir esquecer a morte. Hoje é o primeiro dia dos pais sem o meu pai. Ele não está e nunca mais vai estar entre nós. Não há substituição nem compensação possíveis. 

Wednesday, August 08, 2012

Diário da Olimpíada ou Musa é a Mãe


Dos varios termos ridículos que são usados quase todos os dias na mídia brasileira, um deles me irrita particularmente: “musa”. É como se, trantando-se de mulheres, política, esporte, artes, jornalismo, ou qualquer outro campo de atividade se resumisse a um concurso de Miss no qual, aliás como é típico nesse tipo de evento, 90% das pessoas são brancas e/ou têm olhos claros.
Acompanho as olimpíadas com entusiasmo porque aqui e ali, e principalmente quando se trata de um país como o Brasil, a gente ainda encontra atletas que não são um bando de deslumbrados que só pensam em ganhar um monte de dinheiro vendendo desodorante e fingindo se importar com o esporte. E no Brasil as mulheres têm uma participação cada vez mais importante. Assim, num país que pede através da mídia que as meninas da idade da minha filha admirem super-modelos, misses-peituda e misses-traseiro, e sortidas mulheres hortifrutigranjeiras," eu me permito escolher duas mulheres excepcionais, exemplos para todas as mulheres brasileiras de força e determinação:

Sarah Menezes



Adriana Araújo



Wednesday, August 01, 2012

Sobre racismo e outras formas de preconceito no Brasil do século XXI


O potencial político da classe média para projetos reacionários e conservadores não é novidade para ninguém. Para não apelar de uma vez com exemplos como Hitler e os fascistas, prefiro um exemplo local: o apoio entusiasmado dessa classe média a 1964. Não é por alguma praga divina que o estado supostamente mais desenvolvido do Brasil produz uma longa estirpe de políticos reacionários [Ademar de Barros, Jânio Quadros, Paulo Maluf, etc] – a base política dessas peças é justamente a extensa classe média paulista.
O problema é que o país conhecido e reconhecido pela velha classe média brasileira, onde ficava cada macaco no seu galho e pé-de-chinelo nenhum se metia a besta, se despedaça aos poucos. O efeito mais perturbador e inquietante desse desmoronamento para o velho esteio do conservadorismo brasileiro é a pilha de escombros que oculta as fronteiras. Daí tanto ressentimento, temor e ódio pelos diferentes – mais porque afinal de contas eles não são suficientemente diferentes e vão se misturando, “sujando” os endereços elegantes antes só frequentados por “gente bonita”. 
A reação é a violência de sempre: o racismo brasileiro só é cordial quando a gentalha reconhece o seu lugar e não dá uma de besta. Agora a violência além da esfera policial, que podia ser apenas pontual “nos bons tempos”, quando era aplicado apenas aos poucos “pretos metidos” que não se conformavam em ser “pretos humildes”, vai se transformando em uma enxurrada de ofensas e xingamentos cada vez mais violentos e ofensivos. A ligação entre os trogloditas que ficavam ameaçando a UnB e pregando o estupro corretivo contra lésbicas na internet e o insano que matou um monte de meninas na escola de Realengo no Rio de Janeiro foi convenientemente ignorada pela "grande" imprensa, que é justamente o quintal dessa classe média. Ofensas racistas e sexistas são tratadas como “apenas uma piada” nesses meios de comunicação, que vociferam contra as cotas nas universidades públicas, qualificando-as de “segregação”. 
Resta ver a que ponto essa energia pode ser canalizada para projetos reacionários mais diretamente violentos. Comentando a explosão da violência nos Balcãs, Zygmun Bauman chamava a atenção para algo que ele não via como uma “peculiaridade balcânica”:

“A violência é necessária para tornas essas pessoas insuficientemente diferentes espetacularmente, inequivocamente, gritantemente diferentes. Então, aos destruí-las, podia-se ter a esperança de estar eliminando o agente poluidor que havia ofuscado as distinções, e assim recriar um mundo ordenado onde todos sabem quem são e as identidades deixaram de ser frágeis, vagas e instáveis.”

O direito de segregar no Brasil fica cada vez mais restrito ao seu 1% de janotas podres de rico e a velha classe média se desespera ao se ver descolada dessa dourada elite, convivendo com o resto do Brasil nos aeroportos, nas escolas particulares, nas universidades, etc. Haverá um catalizador político para toda essa agressividade acumulada?