Tuesday, December 27, 2011

Poesia Minha - Homenagem a José Gorostiza

[arte: desenho e colagem em ficha de biblioteca de Paulo Moreira]


Morte sem fim


¡Hazme, Señor,

Un puerto en las orillas de este mar!

Eis o meu poema,

pesadelo surdo

da carne, que queima,

punciona, rói, sangra.

Flor que se abre pra dentro,

estéril, cheia

de mim, repetindo; presa

na epiderme que me define,

cheia de mim.

Eu, seco como a sede do gesso,

padecendo a fome do ar que respira,

por um Deus inalcançável,

rancor da molécula.

Pântano de espelhos,

solidão em chamas.

Surdo pesadelo da carne.

Ilhas de monólogos sem eco.

Topo dum tempo paralítico.

Ínfimo do olho

que segue o curso da luz

pela pele da gota de orvalho.

Flor que se abre para dentro,

afogada n’água

estrangulada no copo.

Poema que se afoga na garganta –

Resta o poço ressecado,

esgar de agonia:

o poema.

Friday, December 23, 2011

O Jingo

Um estrangeiro é um estrangeiro. Assim como imagino gringos se perguntaram que diabos esse povo todo está fazendo na beira da praia no ano novo, eu vou passando à margem do calendário babilônico do segundo semestre: primeiro o Ralo [Halloween], meu preferifo; depois o Tanco [Thanksgiving], com intermináveis debates na mídia sobre receitas de peru assado, e finalmente o Jingo [Natal], parecido com o Brasil até certo ponto. Até certo ponto porque faz um frio de matar [não este ano, felizmente] e porque simplesmente TODAS as lojas e estabelecimentos comerciais tocam música de natal 24 horas por dia. Country Jingo, Rap Jingo, balada Jingo, Jingo Folk, Jingo Rock e assim vamos com 345 versões diferentes de Jingle Bells e companhia. Então, com objetivos puramente etnológicos, escolhi aquela que representa o fim da picada:


Grandma got runned over by a reindeer
Walking home from our house Christmas Eve.
You can say there's no such thing as Santa,
But as for me and Grandpa, we believe.

She'd been drinkin' too much eggnog,
And we'd begged her not to go.
But she'd left her medication,
So she stumbled out the door into the snow.

When they found her Christmas mornin',
At the scene of the attack,
There were hoof prints on her forehead,
And incriminatin' Claus marks on her back.

R: Grandma got runned over by a reindeer
Walking home from our house Christmas Eve.
(On her way home)
You can say there's no such thing as Santa,
(Say there's no Santa)
But as for me and Grandpa, we believe.
(Lord, we believe)

Now we're all so proud of Grandma,
He's been takin' this so well.
See him in there watchin' football,
Drinkin beer and playin' cards with cousin Belle.

It's not Christmas without Grandma.
All the family's dressed in black.
And we just can't help but wonder:
Should we open up her gifts or send them back?

R: Grandma got runned over by a reindeer
Walking home from our house Christmas Eve.
(Midnight before Christmas)
You can say there's no such thing as Santa,
(Say there's no Santa)
But as for me and Grandpa, we believe.
(Lord, we believe)

Now the goose is on the table
And the pudding made of fig.
And a blue and silver candle
That would have just matched the hair in grandma's wig.

I've warned all my friends and neighbors.
"Better watch out for yourselves.
They should never give a license,
To a man who drives a sleigh and plays with elves."

R: Grandma got runned over by a reindeer
Walking home from our house Christmas Eve.
(Minding her own business)
You can say there's no such thing as Santa,
(What do you mean there's no Santa?)
But as for me and Grandpa, we believe.
(Lord, we believe)

Oh
As for me and Grandpa, we believe.
(We believe in Santa Claus.)

Wednesday, December 21, 2011

Montagem desajeitada sobre o pesadelo

Esse post vai em forma de montagem.


1. Nota da New Yorker sobre o candidato a candidato a presidente Newt Gingrich:

In a debate a few days earlier, on Fox News, [Newt Gingrich] had called America’s courts “grotesquely dictatorial”; he said that he had “warned” Supreme Court Justices to their faces that if “you keep attacking the core base of American exceptionalism, and you are going to find an uprising against you which will rebalance the judiciary.” He told Schieffer [at CBS] that he was ready to send the Capitol police to bring judges to Congress to explain their decisions, to abolish entire courts, and, as President, to put his hands over his ears and pretend that he didn’t hear rulings that he didn’t like.


2. Post do poeta Charles Simic sobre o espetáculo de horrores das primárias republicanas, sobre o teatro de horrores da Fox News, sobre as nuvens pretas que se aproximam dos Estados Unidos:

“I mustn’t forget, either, that I was surrounded by political exiles in my youth, many of whom, after having lived either under Stalin or Hitler, or in some cases both, never lost their vigilance. Even after twenty or thirty years in the United States, they gave the impression of keeping a suitcase packed under their beds, ready to flee at a moment’s notice should hippies or some variety of American fascists come power.

Lucky for them, they are all long dead, so they can’t read some opinion piece or hear a congressman or a senator today clamor for the very same police state measures they barely escaped from. Watching the government of the country they grew to love curtailing liberties, spying on its citizens, militarizing its police forces, imprisoning both foreigners and Americans indefinitely without having to prove their guilt, and coming to admire the mindset of authoritarian regimes it used to despise, would have been both terrifying and depressing. They could not help but note that some of their fellow Americans who cheer for the death penalty and for torture, and call the people demonstrating against Wall Street lice-infested misfits and degenerates, are no better than the ones they knew back home and are as eager to persecute, imprison, and even commit murder should they be called upon (I think people who clap for death, love war without end, and adore guns are perfectly capable of it). My mother, who never recalled anything but trouble, and was sure the worst was yet to come, would be saying, I told you so, all day long.”


3. Um poema do próprio Simic

Clouds Gathering

Charles Simic

Wild strawberries and cream in the morning.
Sunlight in every room.
The two of us walking by the sea naked.

Some evenings, however, we found ourselves
Unsure of what comes next.
Like tragic actors in a theater on fire,
With birds circling over our heads,
The dark pines strangely still,
Each rock we stepped on bloodied by the sunset.

We were back on our terrace sipping wine.
Why always this hint of an unhappy ending?
Clouds of almost human appearance
Gathering on the horizon, but the rest lovely
With the air so mild and the sea untroubled.

The night suddenly upon us, a starless night.
You lighting a candle, carrying it naked
Into our bedroom and blowing it out quickly.
The dark pines and grasses strangely still.


4. Um contraponto no ensaio "Un gobierno de nadie" de Amador Fernández-Savater, uma das reflexões mais interessantes sobre o momento Europeu e suas repercussões:


"Entregando todo el poder a los mercados financieros, blindándose contra todo atisbo de participación ciudadana, convirtiéndose en simples gestores de lo Inevitable y lo Necesario, los políticos han cavado su propia tumba. Ya pueden quejarse todo lo que quieran Papandreu, Berlusconi o Rajoy cuando le toque: los poderes a los que se ataron han decidido de pronto prescindir de sus servicios y poner en su lugar a otros ingenieros de más confianza. Punto."

Tuesday, December 20, 2011

O Porto Maravilha e o Valongo



“Sem esquife e sem a menor peça de roupa são atirados numa cova que nem tem dois pés de profundidade. Levam o morto e o atiram no buraco como a um cão morto, põem um pouco de terra em cima e se alguma parte do corpo fica descoberta, socam-no com tocos de madeiro, formando um mingau de terra, sangue e excrementos.”

Carl Seidler, testemunha ocular, descreve o cemitério do Valongo, que a copa do mundo tirou da tumba do esquecimento, no livro Dez anos no Brasil. Sobre as pesquisas e sobre o genocídio que o Brasil finge que nunca aconteceu, leia aqui. Eram 50 "casas de carne" comerciando homens, mulheres e crianças africanas. Eis uma outra testemunha ocular, Charles Brand:

“A primeira loja de carne em que entramos continha 300 crianças, do sexo masculino e feminino. O mais velho podia ter 12 ou 13 anos e o mais novo, não mais de 6 ou 7. Os coitadinhos ficavam agachados num armazém imenso, as meninas de um lado e os meninos do outro para ser melhor inspecionados pelos clients; tudo o que vestiam era um avental xadrez branco e azul, amarrado na cintura; e, não estivessem separados, seria impossível discernir os meninos das meninas. […] O cheiro e o calor da sala eram opressivamente repugnantes. Meu termômetro indicava 33ºC. Estávamos no inverno; como passavam as noites de verão, não sei dizer, pois nesse cômodo único eles viviam e dormiam, no chão, como gado, sob todos os aspectos.”


Monday, December 19, 2011

Tacita Dean - FILM


FILM é uma instalação gigantesca em homenagem ao formato 35mm celulóide que o mundo digital parece estar levando à extinção.




Thursday, December 15, 2011

Poesia Americana 5: ANDREW ZAWACKI

Fermata

One of me stuttered and one
of me broke, and one of me tried

to fasten a line to one of
me untying it from me.

One of me watched a fisherman haul
a sand shark from the breaker,

while another was already years later,
returned to where a local man

baited for striper but landed a shark.
One of me sat under olivine clouds,

clouds of cerise, a courtesan sky,
and one of me sunned himself

as a child, imagining a fish-rod
turned fermata. One waved a sash

of cornflower blue, one heard
a windmill, one heard the wind,

one waved goodbye to an imminent
leftover love. And one strolled

barefoot and sunburnt across
the nickel inhibitions of afternoon,

tossing amber bottles at a smoke tree,
the gun lake, swimming toward

his family on the dock as twilight fell,
as the same boy stayed behind

to look at him swim. One believed
a father could be killed by falling rock,

and one woke up to find he’d only
dreamt, although his father was dead,

and one believed in a beautiful house
not built by any hand. One promised

nothing would break, and nothing did,
and one saw breaking everywhere

and could not say what he saw.




O vídeo começa com o poema acima e depois tem ainda muitos outros.

Tuesday, December 13, 2011

Feliz Aniversário, Belo Horizonte


[imagem: sobreposição de mapa do plano original de Belo Horizonte e da vila do Curral Del Rey]

Quando fez 114 anos Belo Horizonte ganhou de presente um daqueles temporais de verão épicos que, justiça seja feita, acontecem todos os verões com menor ou maior intensidade. Os jornais e a população olham para o céu e se perguntam porque mas a questão está debaixo dos seus pés. Belo Horizonte sepultou seus muitos rios, ribeirões e córregos. E os sepultados vivos saem debaixo da terra e vem cobrar aos patetas que vivem hoje a sua estupidez:



Mas não adianta; só uma senhora ensaia um queixa contra a "linha verde" que o jornal se apressa em descartar com uma declaração da prefeitura. Tudo culpa dos céus ou da caprichosa "vazão dos córregos". Feliz aniversário, Estúpido Horizonte de onde eu vim, que me fez quem eu sou, que eu amo. Nessas horas, no frio da Nova Inglaterra, eu só penso no final de Absalom, Absalom:

"Tell about the South," said Shreve McCannon. "What do they do there? How do they live there? Why do they?…Tell me one more thing. Why do you hate the South?"

"I don't hate it," Quentin said, quickly, at once, immediately; "I don't hate it," he said. I don't hate it he thought, panting in the cold air, the iron New England dark: I don't. I don't! I don't hate it! I don't hate it!

Monday, December 12, 2011

Daniel Sada - A língua espanhola perde um de seus maiores 2

Eis aqui o início de um dos meus contos favoritos de Daniel Sada, “El basilisco”:

“Preciosa o más bien agresiva, la serpiente café se desliza a la sorda por entre los escobos – en el solar, al fondo, allá adonde nadie entra –; aciaga, temeraria, querrá encontrar quizá el escondrijo idóneo o mostrarse, larguísima cual es, ante una equis mirada.

¡El niño estupefacto es quien la ve!

Parece la raíz de un árbol centenario que por arte de magia cobra vida. Oronda avanza, falsa, hacia el espacio ideal donde sus serpenteos y su color pudieran diluirse entre las gándaras. Y el niño echa a correr con su alarido al viento, pretende dar aviso a sus padres ¿dónde? Aumenta su clamor.”

Quem conhece Guimarães Rosa reconhece a sintaxe bem “solta” da frase que desliza como a “serpente café”. Também reconhece o uso peculiar de certa dicção culta desprovida dos clichês que marcam a linguagem murcha dos jornais, por exemplo. Também reconhece o senso de dramatismo peculiar na narração em terceira pessoa que muda vertiginosamente de ponto de vista: do primeiro parágrafo centrado na cobra para o curto segundo parágrafo que nos apresenta o menino, e depois de volta à cobra e logo depois de volta ao menino. Em dez linhas o leitor sente-se estranhamente íntimo do menino e da cobra, imerso na história do conto.

Mas quem conhece Guimarães Rosa também sabe que aqui não há intenção de imitação; que quem escreve aqui é com certeza outro escritor. A língua espanhola nas mãos de Daniel Sada se transformava assim em aventura. Uma aventura claramente mexicana, mas muito longe dos maneirismos, das “gracinhas” que afetam até mesmo um Carlos Fuentes.

Sei que há que ler o conto todo para entender melhor o que eu digo. Está feito mais uma vez o convite. Quem se aventurar a conhecer Daniel Sada não vai se arrepender.

Friday, December 09, 2011

Daniel Sada - A língua espanhola perde um de seus maiores

Morreu mês passado um dos maiores escritores da língua espanhola, um gênio. Enquanto perdíamos tempo com escritores de terceira vindos do México para tomar caipirinhas aprazíveis no inverno de Paraty, Daniel Sada, conhecedor profundo de literatura brasileira e de Guimarães Rosa ainda não foi traduzido ao português. Uma pena. Para quem lê em espanhol trago o começo de um conto maravilhoso "El Fenómeno Ominoso" [que pode ser lido aqui] e uma leitura do propio Sada do conto.



EL FENÓMENO OMINOSO


Se puede vivir lejos, muy lejos, allá donde no llega ninguna carretera ni hay vías de tren cercanas: en un viejo aposento perdido en la llanura; allá donde no existen ni veredas fortuitas ni enemigo que salte, en ese duro espacio que amolda voluntades y cede al abandono dejando tras de sí los aires mundaneros, la humeante sociedad que nunca para, la tentaciones prontas. A cambio… Optar y para siempre por el retiramiento, por la experiencia viva que afina los sentidos y alarga cuanta forma. ¿Acaso es necesario? No, pero alguna vez sí -aproximadamente- se puede vivir solo. Lejos, donde el tiempo no premia las sabias lentitudes.

Corneliano Pineda desde hacía muchos años vivía solo en un rancho llamado El Gavilán: lugar seco y talludo como un cuero atezado, con mellas de erosión y bajo un sol hendido en todas partes. Ámbito legendario donde la incandescencia parece asesinar a tanta sombra intrusa y donde por doquier hay un enorme “No” de un golpe machacado que provoca a la postre la estirada del tiempo. Serenidad a cuestas acaso categórica que le ha dado al fulano el amor necesario por lo que no ha de ser, también para su alivio, una memoria agreste capaz de regodearse en el silencio de los años que ruedan de ida y de regreso.

De hecho para él la vida diaria no era sino un largo suceso y nada más.

A veces, a capricho, el fulano quería cambiarle el ritmo a ésta soledad carente de altibajos, y era que podía a medias, porque la tal monotonía lo arrastraba hacia el método en que siempre se cae cuando no hay esperanzas de que las cosas cambien.

Thursday, December 08, 2011

Poesia Minha - Anatomia da leitura como cacofonia

Anatomia da leitura como cacofonia

Renacerán vocablos muertos

y morirán los que ahora están en boga,

si así lo quiere el uso,

árbitro, juez y dueño

en cuestiones de lengua.

Horacio


Deitado na rede

respirando o ar límpido,

fase tropical

do meu inverno constante,

do futuro leio cartas

de cinquenta anos:

uma tradução solar

duma estação no inferno.

Nela ao mesmo tempo

falam eu, o poeta e o tradutor;

falam duas línguas tronchas

e também uma terceira,

zumbi monstro da lagoa,

meta-matéria incolor

refratando ao contrário

verdades recônditas

rascunhadas pelas margens

entre as duas páginas

da folha em minhas mãos

vejo um palco iluminado

onde cantam ódio e amor

e suas dezessete gradações

em surdina no meu ralo

coração esburacado.

Do vizinho canta o galo

da noite suja de Belo Horizonte.

Da sua rede canta tu, leitor,

do domingo universal

canta o rabo do tatu.

Cantam todos juntos,

multidão mambembe,

pau e porrete em punho,

na mais completa desafinação

enquanto descem roncando

a rua Henrique Passini

com a Capelinha

um ônibus amarelo

e o caminhão do lixo.

Wednesday, December 07, 2011

Poesia Mexicana 2 - José Emilio Pacheco [de novo]


Vidas de los poetas


En la poesía no hay final feliz.

Los poetas acaban

viviendo su locura.

Y son descuartizados como reses

(sucedió con Darío).

O bien los apedrean y terminan

arrojándose al mar o con cristales

de cianuro en la boca.

O muertos de alcoholismo, drogadicción, miseria.

O lo que es peor: poetas oficiales,

amargos pobladores de un sarcófago

llamado Obras completas.

Irás y no volverás, 1973

Tuesday, December 06, 2011

Poesia Mexicana 1 - José Emilio Pacheco

[ilustração: escultura de Gabriel Orozco]


Manifiesto

Todos somos “poetas de transición”:

La poesía jamás se queda inmóvil.

Irás y no volverás, 1973

Monday, December 05, 2011

Rir para não chorar: 15 minutos e 17 segundos


[Ilustração: Retrato de Lucian Freud feito por Francis Bacon]

Então deixa ver se eu entendi: o "debate da sociedade" sobre Belo Monte vai ser feito em torno de argumentos apresentados em um filme de 8 minutos com um monte de atores famosos falando em segmentos de 10 segundos e outro filme de 7:17 com um batalhão de estudantes da UNICAMP falando do mesmo jeito? Quer dizer que em exatos 15 minutos e dezessete segundos eu vou saber tudo o que preciso saber para emitir meu juízo também?
Seria coincidência que juntos eles dão os tais 15 minutos de fama de que o Warhol falava?

Saturday, December 03, 2011

Prosa minha 2

[continuando o texto anterior...]

Ninguém sabe onde fica a curva depois da qual os caminhos param de se bifurcar e a gente se vê obrigado a seguir sempre em frente até o fim. Alguns nem sabem que essa curva existe, e seguem assim até que passe a tal curva. A partir daí, avistamos uma dolorosa ladeira descendo em linha mais ou menos reta até um ponto final que, por mais distante que pareça, fica então perfeitamente visível. Hoje percebi que acabei de passar por essa curva. Isso não quer dizer que não haja escolhas. Há muitas maneiras de se descer uma ladeira. As opções são combinações possíveis numa linha contínua entre dois extremos: de um lado solta-se o corpo sem freio para abraçar num trompaço vertiginoso o que fica lá embaixo; do lado oposto, vamos descendo bem devagarinho, o freio de mão todo puxado, a pastilha do freio queimando fumaça até o osso, até o limite do impossível.

Friday, December 02, 2011

Prosa minha

[ilustração: Elizabeth Murray, "Snake Cup"]

A hora mais interessante do dia é quando não tem ainda ninguém acordado na rua. Essa é a melhor hora para vir para a janela pensar, ainda mais depois de uma noite em claro – minha rotina é feita de noites assim intercaladas por outras, em que caio na cama às oito horas da noite, exausto, e acordo no meio da madrugada.



Thursday, December 01, 2011

Diário da Babilônia - The New Enquiry

The New Enquiry é uma iniciativa de um grupo de jovens de mais ou menos 25 anos que moram em Nova Iorque e são apaixonados por literatura. Essa geração tem sido profundamente afetadas por duas crises: a do mundo editorial e a da academia. As possibilidades de profissionalização são escassas e frustrantes, num ambiente onde o medo e o comodismo imperam. Na revista eles encontraram um meio aberto a trabalhos amadores de altíssima qualidade - você pode até não gostar os artigos, achar tudo meio pedante e definitivamente provinciano, mas não é a coleção de abobrinhas que a gente costuma ler na internet.
[faço aqui um breve parêntesis: eu sei que parece loucura minha, mas acho que não há lugar mais provinciano no mundo que Nova Iorque - nem São Paulo chega perto. E quem achar que eu estou de sacanagem, me diga: uma revista - The New Yorker - com um artigo de três páginas sobre os carrinhos de cachorro quente da cidade é o quê?]
Além da revista eletrônica, uma vez por semana eles se encontram num sebo clandestino - o lugar funciona num apartamento de terceiro andar de um prédio residencial e só recebe clientes que foram convidados. Cada um traz sua bebida e eles ficam batendo papo até as 10, quando cada um tem 3 minutos para ler em voz alta um texto qualquer, seu ou de outra pessoa sobre o assunto da semana.

Tuesday, November 29, 2011

Mulheres enfezadas do Country 2 - Miranda Lambert

Mulheres enfezadas do Country 2 – Miranda Lambert

Miranda Lambert ao vivo no Austin City Limits, programa de shows ao vivo da PBS:

Watch Miranda Lambert "Gunpowder and Lead" on PBS. See more from AUSTIN CITY LIMITS.



Gunpowder & Lead
County road 233, under my feet
Nothin' on this white rock but little ole me
I've got two miles till, he makes bail
And if I'm right we're headed straight for hell

[Chorus:]
I'm goin' home, gonna load my shotgun
Wait by the door and light a cigarette
If he wants a fight well now he's got one
And he ain't seen me crazy yet
He slap my face and he shook me like a rag doll
Don't that sound like a real man
I'm going to show him what a little girl’s made of:
Gunpowder and lead

It's half past ten, another six pack in
And I can feel the rumble like a cold black wind
He pulls in the drive, the gravel flies
He dont know what's waiting here this time

chorus

His fist is big but my gun's bigger
He'll find out when I pull the trigger

Monday, November 28, 2011

Mulheres enfezadas do Country 1 - Gretchen Wilson



Redneck Woman

Well, I ain't never been the Barbie doll type
No, I can't swig that sweet Champagne, I'd rather drink beer all night
In a tavern or in a honky tonk or on a four-wheel drive tailgate
I've got posters on my wall of Skynyrd, Kid and Strait
Some people look down on me, but I don't give a rip
I'll stand barefooted in my own front yard with a baby on my hip
'Cause I'm a redneck woman
I ain't no high class broad
I'm just a product of my raising
I say, 'hey ya'll' and 'yee-haw'
And I keep my Christmas lights on
On my front porch all year long
And I know all the words to every Charlie Daniels song
So here's to all my sisters out there keeping it country
Let me get a big 'hell yeah' from the redneck girls like me, hell yeah
Victoria's Secret, well their stuff's real nice
But I can buy the same damn thing on a Wal-Mart shelf half price
And still look sexy, just as sexy as those models on TV
No, I don't need no designer tag to make my man want me
Well, you might think I'm trashy, a little too hardcore
But in my neck of the woods I'm just the girl next door
I'm a redneck woman
I ain't no high class broad
I'm just a product of my raising
I say, 'hey y'all' and 'yee-haw'
And I keep my Christmas lights on
On my front porch all year long
And I know all the words to every Tanya Tucker song
So here's to all my sisters out there keeping it country
Let me get a big 'hell yeah' from the redneck girls like me, hell yeah
Hey, I'm a redneck woman
And I ain't no high class broad
I'm just a product of my raising
And I say, 'hey y'all' and 'yee-haw'
And I keep my Christmas lights on
On my front porch all year long
And I know all the words to every ol' Bocephus song
So here's to all my sisters out there keeping it country
Let me get a big 'hell yeah' from the redneck girls like me, hell yeah
Hell yeah, hell yeah
Hell yeah
I said hell yeah!


gretchen wilson - redneck woman by lebira1

Vamos ver se esse aí toca no Brasil tbm!

Thursday, November 24, 2011

Copiando e sendo copiados ou o pior de dois mundos 2

No editorial do NYT, dados recentes do censo americano: 49.1 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza e 51 milhões quase lá, com renda menos de 50% acima da linha da pobreza. Somando os dois grupos dá um em cada três americanos vivendo no sufoco ou quase chegando lá. A desigualdade também caminha a passos largos no acesso à educação: a diferença entre a porcentagem de ricos e pobres que conseguem se formar na universidade cresceu 50% em 20 anos.

Monday, November 21, 2011

Copiando e sendo copiados ou o pior de dois mundos

[Ilustração:uma certa plataforma P36…]

Em 1995 a imprensa brasileira festejou a quebra do monopólio da Petrobrás sobre a exploração como um grande passo para a “modernização” da economia brasileira. Roberto Campos chegou a posar para os fotógrafos socando e chutando um um dinossauro de plástico que ele segurava pelo rabo enquanto dizia: "As estatais são assim. Têm o corpo pesado, uma cauda enorme e o cérebro mínimo."

Dezesseis anos mais tarde a Chevron – que não é estatal mas parece ser também pesada, dona de um enorme rabo e de um cérebro convenientemente mínimo – traz, suponho que como oferenda evangélica à Iemanjá, petróleo que vazouuma média de 330 barris por dia durante mais de uma semana” e ainda não estancou.

O diretor da ANAP, criada pelo príncipe FHC para administrar esse lindo “mercado livre à competição” parece que descobriu só agora que os caras da Chevron “não estavam preparados para executar o plano de abandono do poço que eles mesmo nos apresentaram.” O tal poço, aliás, foi perfurado pela mesma Transocean que já tinha trabalhado tão bem para a British Petroleum no Golfo do México. A tal aluna do Idelber Avelar deve estar mesmo certa quando diz que

"os EUA estão copiando tudo de ruim do Brasil e o Brasil está copiando tudo de ruim dos EUA"

Nosso ex-ministro Minc disse aos jornais – aparentemente, nunca se sabe – que essa tal Transocean é “pé-frio”. Sinceramente espero que daqui há 16 anos não estejamos nos lamentando sobre os desastres causados pelos pés-frios modernizadores que parece que vão executar Monte Belo. O Brasil não tem o direito de entrar o século XXI repetindo as mesmas barbaridades de 500 anos.


Sunday, November 20, 2011

"Fresh off the Boat", como eu aprendi a ser bilíngue


Para além do discurso de tolerância e cultivo à diversidade, nos Estados Unidos vive-se uma imensa pressão diária para que o imenso contingente de imigrantes se enquadre à cultura desse que é o menos globalizado dos países do mundo, mesmo porque globalização em termos culturais significa primordialmente americanização. Uma expressão comum mesmo entre crianças representa bem essa pressão: um pessoa é FOB ou "fresh off the boat" [algo como "com cheiro de quem acabou de desembarcar"], que significa que a tal pessoa ainda não consegue se comportar de forma a não chamar nenhuma atenção para si mesmo como diferente. Como é que uma criança se revela como "fresh off the boat" na escola? Pelos sapatos, meias, calça, cinto, camisa, casaco, penteado, mochila, cadernos, hábitos alimentares na hora do recreio, lancheira, tipo de lancheira, sotaque, vocabulário e sintaxe, pelo jeito de assentar na carteira, de guardar os cadernos, de cumprimentar a professora, de brincar, de praticar esportes, pelo tipo de esporte, por assistir televisão, pelos tipos de programa de televisão etc.
Nada de disso me soa estranho: eu já fui o único carioca numa escola com quinhentos mineiros no coração de Belo Horizonte.

Friday, November 18, 2011

A Família é a Espinha Dorsal do Brasil - Parte 2

Provo ainda com um relato resumido da saga da família Ramos:


Tudo começa com a chegada à costa brasileira do Cacique de Ramos, que saiu dos cafundós do sertão para descobrir o mar e assentou seu portentoso clã no piscinão que hoje leva seu ilustre nome. A data de sua chegada ao sul-maravilha comemora-se desde então no famoso domingo de Ramos – que seria feriado nacional se já não fosse no domingo. O venerando Cacique casou-se com Eliana Ramos, modelo anoréxica uruguaia, com quem teve dois filhos: Lílian e Graciliano. Lílian se aproveitou do carnaval para transformar-se na poderosa Condessa de Itamar e teve dois filhos: Nereu, o político artista urubu de presidentes e Nuno, o artista político criador de urubus. Já seu irmão, o infeliz Graciliano, acabou seus dias em desgraça acusado de honestidade ideológica pela primeira visita da grande inquisição ao Brasil, entre 37 e 45. Antes da transferência da soberania nacional de Portugal para a Inglaterra, Nereu casou-se com a estrela erótica Helena e teve dois filhos, Tony e Lázaro – conhecidos como os reis das artes dramáticas pindorâmicas. Outro ramo [permita-me o trocadilho acidental] da família desceu de trem em busca de um sul mais sul e estabeleceu-se em Santa Catarina, em torno da presença frondosa do Governador Celso, meio-irmão do Cacique. Apesar das praias de água fria e infestadas de argentinos, o Governador Celso adaptou-se bem ao clima quase temperado e casou-se com Ofélia Ramos, cozinheira de mão cheia e cabeleira formidável. Juntos Ofélia e o Governador Celso tiveram quatro renomados filhos: Lucy (modelo de novela de renome), Mauro (beque central de renome), Arthur (psicólogo afro de renome) e Saulo (advogado Sarneyzólogo de renome).

Thursday, November 17, 2011

A Família é a Espinha Dorsal do Brasil - Parte 1

[nota do editor: dizem que um comunista ateu fugido do campus da USP sabotou um encontro da SOTRAFABA - Sociedade Tradicional Família Paulista - derretendo cubos de substâncias ilícitas no chá das vetustas senhoras e senhôros. Não sei, mas aí está a ata da tal reunião.]


A Família é a Espinha Dorsal do Brasil - Parte 1


A família é a espinha dorsal do Brasil.

Provamos citando alguns dos nossos clãs mais famosos e seus luminares:


- os Maia, Agripino, Wolf, Tim e César;
- os Motta, Sérgio, Zezé e Ed;
- os de Andrade, Mário, Oswald e Carlos Drummond;
- os Santos, Milton, Nílton e Sílvio;
- os Gonçalves, Nelson, Dercy e Milton;
- os Santana, Dedé, Telê, Joel e Afonso Romano de;
- os Carreiro, Tônia e Beto;
- os Camargo, Hebe e Zezé di;
- os Cardoso, Fernando Henrique, Elizeth e Newton;
- os Vianna, Mário, Tião, Herbert e Hermano;
- os Duarte, Lima, Gabriela e Regina;
- os Gomes, Mário, Ciro, Cid e Dias;
- os Meireles, Cecília, Fernando e Henrique;
- os Morais, Vinícius, Antônio Ermírio e o sanguinário quarto-zagueiro do Cruzeiro.

Wednesday, November 16, 2011

Poesia Minha - Mash-Up

Mash-up – Cláudia Roquette-Pinto

Desde o centro, corpo adentro

dorme a explicação nos intervalos

entre lençóis de cal.

Emerge dum mar de águas anuladas

um dois pontos insólito,

espaçado, desatento:

uma idéia em combustão

deitada em dunas de pólvora;

um botão incipiente,

um fogo contido

no recorte da janela.

Mais tarde,

sob o fermento do sol,

sem margem de manobra,

com a lucidez estranha da vidraça

que a pedra acaba de acertar,

procuro me perdendo em coisas

que nos outros são migalhas.

No assédio de tudo que me toca,

sob o tampo da tarde que estupora,

emerge dum mar cachorro imenso,

vomitando espuma de bile,

a centopéia de carros

que se arrasta para dentro do viaduto.

A noite verte olhos de amoroso

interesse. Desabotoa

entre os meus dedos

as pálpebras de cobre.

Entre o vão das costelas

vejo as listras do tigre

aflorando do mergulho

na cortina de bambus.

Deste odre enganador

ou dessa vidraça alguma

coisa se debruça:

despenca ladeira abaixo

uma paisagem mental semente

do poema morte.

Monday, November 14, 2011

Identidade, língua e os penetras no baile da cultura

Três trechos interessantes do ensaio biográfico de Saul Bellow que o New York Review of Books publicou:

Sobre identidade:

“So, in my first consciousness, I was, among other things, a Jew, the child of Jewish immigrants. At home our parents spoke Russian to each other, we children spoke Yiddish with them, and we spoke English with one another. At the age of four we began to read the Old Testament in Hebrew, we observed Jewish customs, some of them superstitions, and we recited prayers and blessings all day long. Because I had to memorize most of Genesis, my first consciousness was that of a cosmos, and in that cosmos I was a Jew. I suppose it would be proper to apply the word ‘archaic’ to such a representation of the world as I had—archaic, prehistoric. This was my ‘given’ and it would be idle to quarrel with it, to try to revise or efface it.”

Sobre a língua materna:

“One’s language is a spiritual location, it houses your soul. If you were born in America all essential communications, your deepest communications with yourself, will be in English—in American English. You will neither lie nor tell the truth in any other language. Without it no basic reckonings can be made. You will not reflect on your own death in Hebrew or in French. Your English is the principal instrument of your humanity. And when the door of the gas chamber was shut many of the German Jews who called upon God for the last time inevitably used the language of their murderers, for they had no other.”

Sobre os “penetras” no baile da cultura ocidental:

In twentieth-century Europe the métèque writers appear in considerable numbers. Métèque is defined in French dictionaries as “outsider” or “resident alien,” and the term is pejorative. The word appears in the OED as “metic,” although it is not in general use here. The novelist Anthony Burgess refers to métèques and makes a strong defense of the métèque writer—the nonnative who, being on the fringe of a language and the culture that begot it, is alleged to lack respect (so say the pundits) for the finer rules of English idiom and grammar, for “the genius of the language.” For, says Burgess, the genius of the English language, being plastic, is as ready to yield to the métèque as to the racially pure and grammatically orthodox:

If we are to regard Poles and Irishmen as métèques there are grounds for supposing that the métèques have done more for English in the twentieth century (meaning that they have shown what the language is really capable of, or demonstrated what English is really like) than any of the pure-blooded men of letters who stick to the finer rules.

Burgess’s Irishman is Joyce, his Pole Joseph Conrad, and we can easily add to his list Apollinaire in French, Isaac Babel, Mandelstam, and Pasternak in Russian, Kafka in German, Svevo in Italian (or Triestine), and for good measure V.S. Naipaul or Vladimir Nabokov. Indeed it is not easy in this cosmopolitan age to remove the métèques from modern literature without leaving it very thin.

[…]

In the US, a land of foreigners who may or may not be in the process of forming a national type (who can predict how it will all turn out?), a term like métèque or metic is inapplicable. To renew the purity of the tribe was a French project, and a man whose French is acceptable to the French is, at least in the act of speaking, a claimant to aristocratic status. But gentile New York and Brahmin Boston never dominated American speech, and the aristocratic pretensions of easterners were good for a laugh in the rest of the country. Yet when our own metics, the Jewish, Italian, and Armenian descendants of immigrants, began after World War I to write novels, they caused great discomfort, and in some quarters, alarm and anger.”

Saturday, November 12, 2011

Calle 13 e Companhia

Latinoamérica – Calle 13

Os portorriquenhos do Calle 13 com a colombiana Totó La Momposina, a peruana Susana Baca e a brasileira Maria Rita:






Soy, Soy lo que dejaron, soy toda la sobra de lo que se robaron. Un pueblo escondido en la cima, mi piel es de cuero por eso aguanta cualquier clima. Soy una fábrica de humo, mano de obra campesina para tu consumo Frente de frio en el medio del verano, el amor en los tiempos del cólera, mi hermano. El sol que nace y el día que muere, con los mejores atardeceres. Soy el desarrollo en carne viva, un discurso político sin saliva. Las caras más bonitas que he conocido, soy la fotografía de un desaparecido. Soy la sangre dentro de tus venas, soy un pedazo de tierra que vale la pena. soy una canasta con frijoles , soy Maradona contra Inglaterra anotándote dos goles. Soy lo que sostiene mi bandera, la espina dorsal del planeta es mi cordillera. Soy lo que me enseño mi padre, el que no quiere a su patria no quiere a su madre. Soy América latina, un pueblo sin piernas pero que camina.

Tú no puedes comprar al viento.

Tú no puedes comprar al sol.

Tú no puedes comprar la lluvia.

Tú no puedes comprar el calor.

Tú no puedes comprar las nubes.

Tú no puedes comprar los colores.

Tú no puedes comprar mi alegría.

Tú no puedes comprar mis dolores.

Tengo los lagos, tengo los ríos. Tengo mis dientes pa` cuando me sonrío. La nieve que maquilla mis montañas. Tengo el sol que me seca y la lluvia que me baña. Un desierto embriagado con bellos de un trago de pulque. Para cantar con los coyotes, todo lo que necesito. Tengo mis pulmones respirando azul clarito. La altura que sofoca. Soy las muelas de mi boca mascando coca. El otoño con sus hojas desmalladas. Los versos escritos bajo la noche estrellada. Una viña repleta de uvas. Un cañaveral bajo el sol en cuba. Soy el mar Caribe que vigila las casitas, Haciendo rituales de agua bendita. El viento que peina mi cabello. Soy todos los santos que cuelgan de mi cuello. El jugo de mi lucha no es artificial, Porque el abono de mi tierra es natural. Tú no puedes comprar al viento.

Tú no puedes comprar al sol.

Tú no puedes comprar la lluvia.

Tú no puedes comprar el calor.

Tú no puedes comprar las nubes.

Tú no puedes comprar los colores.

Tú no puedes comprar mi alegría.

Tú no puedes comprar mis dolores.

Você não pode comprar o vento

Você não pode comprar o sol

Você não pode comprar chuva

Você não pode comprar o calor

Você não pode comprar as nuvens

Você não pode comprar as cores

Você não pode comprar minha felicidade

Você não pode comprar minha tristeza

Tú no puedes comprar al sol.

Tú no puedes comprar la lluvia.

(Vamos dibujando el camino, vamos caminando)

No puedes comprar mi vida.

MI TIERRA NO SE VENDE. Trabajo en bruto pero con orgullo, Aquí se comparte, lo mío es tuyo. Este pueblo no se ahoga con marullos, Y si se derrumba yo lo reconstruyo. Tampoco pestañeo cuando te miro, Para q te acuerdes de mi apellido. La operación cóndor invadiendo mi nido, ¡Perdono pero nunca olvido! (Vamos caminando) Aquí se respira lucha. (Vamos caminando) Yo canto porque se escucha. Aquí estamos de pie ¡Que viva Latinoamérica! No puedes comprar mi vida.

Friday, November 11, 2011

Falando com a língua do inimigo

Art Spiegelman em depoimento sobre os momentos que antecedem o projeto Maus em depoimento recente à New York Review of Books:


"I began to read what I could about the Nazi genocide, which really was very easy because there was actually rather little available in English. The most shockingly relevant anti-Semitic work I found was The Eternal Jew, a 1940 German “documentary” that portrayed Jews in a ghetto swarming in tight quarters, bearded caftaned creatures, and then a cut to Jews as mice—or rather rats—swarming in a sewer, with a title card that said “Jews are the rats” or the “vermin of mankind.” This made it clear to me that this dehumanization was at the very heart of the killing project.


In fact, Zyklon B, the gas used in Auschwitz and elsewhere as the killing agent, was a pesticide manufactured to kill vermin—like fleas and roaches.


As I began to do more detailed and more finely grained research for the longer Maus project, I found how regularly Jews were represented literally as rats. Caricatures by Fips (the pen name of Philippe Rupprecht) filled the pages of Der Stürmer; grubby, swarthy, Jewish apelike creatures in one drawing, ratlike creatures in the next. Posters of killing the vermin and making them flee were part of the overarching metaphor. It’s amazing how often the image still comes up in anti-Semitic cartoons in Arab countries today."


Quem não conhece Maus não sabe o que está perdendo!


Wednesday, November 09, 2011

Recordar é viver: Tocqueville e a trilha de lágrimas


Em 1831, durante sua longa viagem pelos Estados Unidos, Tocqueville viu os índios Chickasaw e Choctaw, expulsos do estado do Mississippi, atravessando o rio Mississippi em direção a Oklahoma, uma longa e dolorosa peregrinação conhecida como Trail of Tears [Trilha de Lágrimas, termo que algumas pessoas usam para todas as remoções de tribos e outros apenas para a dramática viagem dos Cheroquis da Geórgia até Oklahoma, quando um terço da tribo morreu - aqui uso o termo em geral]:

“Os índios traziam suas famílias consigo; entre eles estavam os feridos, os doentes, crianças recém-nascidas e idosos a ponto de morrer. Eles não tinham barracas nem carroças; apenas algumas provisões e armas. Eu os vi embarcar para atravessar o grande rio, e o que vi nunca vai se apagar da minha memória. Nenhum soluço ou queixa se levantava daquele agrupamento silencioso. Suas aflições vinham de muito tempo e eles as sentiam como irremediáveis.”

Segue-se uma reflexão arguta para quem quer realmente compreender a cultura dos Estados Unidos:

“Os espanhóis, com atrocidades que os marcaram com vergonha indelével, não conseguiram exterminar a raça indígena nem puderam fazer com que os índios não compartilhassem seus direitos. Os Estados Unidos conseguiu ambos resultados com incrível facilidade, calmamente, legalmente e filantropicamente, sem derramar sangue e sem violar sequer um dos grandes princípios da moralidade ante os olhos do mundo. Impossível destruir seres humanos com mais respeito pelas leis da humanidade.”

Tuesday, November 08, 2011

Nacional e importado - Parte 2


Por outro lado, andam circulando na internet umas fotografias de um lugar qualquer onde se lê na parede “lã rause”. Seguiram-se comentários diversos do tipo “coitados desses ignorantes”. Suponho que esses defensores da ortografia inglesa deveriam escrever assim:

Ela aparou as unhas e guardou seu allikkát no toilette. Pendurou seu peignoir um pouco demodée no cabide, ligou seu velho abat-jour de vitraux vermelho e se aconchegou sob o édredon de zaitum, pronta para ler um pouco mais do seu almanakh favorito.

Ou talvez assim:

Meu team de football tem um back terrível: escorrega o tempo todo como se o gramado fosse feito de al-zuleij, faz penalties a granel e não sabe nem cobrar um corner direito.

Ou ainda assim:

Dei ciao ao mecânico e fechei o capot do meu Ford mas, quando checkei minha mochila, percebi que deixei lá dentro um pacote de spaghetto, meu tabuleiro de shatranj e meu bonnet novo!