Thursday, January 31, 2013

Poesía Mexicana - Rubén Bonifaz Nuño

Morreu hoje, ele. Mais poemas dele aqui.

Foto Minha: Toco de árvore em Concord
 
QUÉ FÁCIL SERÍA PARA ESTA MOSCA

Qué fácil sería para esta mosca,
con cinco centímetros de vuelo
razonable, hallar la salida.

Pude percibirla hace tiempo,
cuando me distrajo el zumbido
de su vuelo torpe.
Desde aquel momento la miro,
y no hace otra cosa que achatarse
los ojos, con todo su peso,
contra el vidrio duro que no comprende.
En vano le abrí la ventana
y traté de guiarla con la mano;
no lo sabe, sigue combatiendo
contra el aire inmóvil, intraspasable.

Casi con placer, he sentido
que me voy muriendo; que mis asuntos
no marchan muy bien, pero marchan;
y que al fin y al cabo han de olvidarse.

Pero luego quise salir de todo,
salirme de todo, ver, conocerme,
y nada he podido; y he puesto
la frente en el vidrio de mi ventana.

Tuesday, January 29, 2013

Moralistas e economistas

Foto Minha - Cordisburgo, 2007
"Ainda e sempre, os economistas são moralistas, à sua maneira. Ou vice-versa."
Pedro Meira Monteiro em Um moralista nos trópicos

"The law of gravity asserts itself when a house falls about our ears."
Karl Marx no Das Kapital

Monday, January 28, 2013

Heresias e catecismos


Da importância da heresia:
“Nenhuma sociedade consegue livrar-se completamente da ação de heréticos, e nada tem mais importância na historia da humanidade do que a heresia. A verdade é que sempre aparecem pessoas dispostas a lutar por ideias novas, pondo em risco posições de prestígio e interesses econômicos.” [12]
Celso Furtado

Concordo. Mas e quando a heresia de ontem vira o catequismo de hoje?

“to the death of the god ‘reality,’ whose minister was the scientist, corresponds the birth of the sect of the écriture, having the écrivain as its high priest.” [189]
Luiz Costa Lima 

Thursday, January 24, 2013

Diário da Babilônia - sem comentários...

Sem comentários...
O pessoal no Brasil acha que o problema é quando neva. O problema é quando a neve fica "sequinha" lá fora...


Wednesday, January 23, 2013

Protestantes e evangélicos no Brasil




1.     O crescimento dos protestantes no Brasil é realmente impressionante, saindo de uma pequena minoria para quase um quarto da população em 30 anos:

1980: 6,6%
1991: 9%
2000: 15,4%, 26,2 milhões
2010: 22,2%, 42,3 milhões  


Há mais evangélicos no Brasil do que nos Estados Unidos: são 22,37 milhões da população e mais ou menos a metade desses pertencem à mesma igreja.  Você sabe qual é?

2.     Costuma-se, por ignorância ou má vontade, a dar um destaque exagerado a Igreja Universal do Reino de Deus e ao seu líder, Edir Macedo. A IURD nunca representou mais que 15% dos evangélicos e menos de 10% dos protestantes como um todo. Além disso, a IURD diminuiu seu número de fiéis  nos últimos 10 anos de acordo com o censo do IBGE, ao contrário de outras denominações, que já eram bem maiores.

3.     Os jornalistas dos jornalões, acostumados com a rígida hierarquia institucional católica não conseguem [ou não tentam] entender muito o sistema de articulação frouxa que os protestantes costumam ter mesmo dentro de uma igreja evangélica específica. Essa e outras ignorâncias sobre os evangélicos e os protestantes em geral vão ficando cada vez mais ridículas à medida em que eles crescem e ocupam o espaço que antes era o da Igreja Católica.

4.     A verdadeira força política/cultural do pentecostalismo no Brasil é a Igreja Evangélica Assembléia de Deus. No Brasil desde 1910, da IEAdD vieram quase todas as igrejas evangélicas do Brasil, e a AdD tem hoje mais de 10 milhões de seguidores, com um aumento de quase 25% nos últimos dez anos. Entretanto ninguém entrevista seus líderes mais poderosos, que tiveram, por exemplo, papel importante na primeira eleição do Lula.

5.     A revista Forbes recentemente listou os seis pastores mais ricos:

Nome
Fortuna
Igreja
Edir Macedo
R$ 2 bi
Igreja Universal do Reino de Deus
Valdemiro Santiago
R$ 400 mi
Igreja Mundial do Poder de Deus
Silas Malafaia
R$ 300 mi
Assembleia de Deus Vitória em Cristo
R.R. Soares
R$ 250 mi
Igreja Internacional da Graça de Deus
Estevam Hernandes Filho e bispa Sônia
R$ 120 mi
Igreja Renascer

Ricos ou não, nenhum deles tem a influência política da Assembléia de Deus, cuja cúpula tem uma relação difícil com o único desses milionários que tem alguma relação direta com ela, o já dissidente Silas Malafaia. Esses aí de cima aparecem muito porque têm todos presença constante na televisão e no noticiário. É sempre mais fácil reduzir os evangélicos a um bando de ladrões, mas a verdade é que essa é uma saída fácil para todos os confrontos no Brasil. Podemos chamar essa saída de "o jeito UDN de ser": desqualifique seus adversários não pelo teor concreto das suas ideias, não pelo efeito concreto das suas políticas, mas porque eles são todos "ladrões". Deveríamos exigir que as maracutaias deles sejam investigadas quando aparecerem mas também devíamos buscar questionar a versão de cristianismo desses cinco aí em cima promovem. Ou não. Talvez devêssemos apenas nos dedicar à tarefa ingrata de mudar as leis e exigir que eles [e todas as outras igrejas] pagassem imposto de renda. Mas aí então pergunte ao Bispo católico o que ele acha disso...

Um estrangeiro de país não-católico precisa conhecer pelo menos um pouco do catolicismo para tentar entender melhor o Brasil, sem ficar fazendo suposições que não tem sentido algum sobre a cultura do país. E um brasileiro de origem católica precisa com urgência procurar saber mais que o mínimo sobre o protestantismo e as religiões evangélicas para entender melhor seu próprio país hoje em dia.

Monday, January 21, 2013

Tradutor e escritor se encontram



É uma troca de cartas interessantíssima, aquela entre Harriet de Onís e Guimarães Rosa. Porque mostram tradutor e traduzido em um debate valoroso, interessante e verdadeiramente bilingüe. Porque desmistificam bastante a figura do autor, mostrando a sua contribuição valorosa para um projeto que era feito em uma língua que ele não dominava. Uma condição para aproveitar a leitura: esquecer os preconceitos sobre os papéis de tradutor e escritor e


Trecho de carta de GR a Harriet de Onís:
“Ah, que lástima não se poder preferir as frases em ‘worse’ English, mas a bem do poder expressivo e sugestivo, à maneira de Joyce.”
21-05-1959

Trecho de carta de Harriet de Onís a GR:
“Confidentially, and only between us, I do not feel that I need her help in the literary aspect; I can handle that myself once the meanings and allusions I am not sure of are established.”
3-6-1959

Comentário tipicamente baba-ovo de GR sobre a tradução do GSV  para o inglês [que não é muito boa], enquanto cantava Harriet de Onís para traduzir Sagarana [projeto que ela aceitou e uma excelente tradução]:
“Achei a tradução tão alta, excelente e limpa, tão cuidada e certa, como eu mesmo não ousara esperar. Acho-a magnífica.”
15-3-1963


Friday, January 18, 2013

poesia minha - work in progress

foto-minha
Work in Progress...

“… os melhores escritores
se encontram anonimamente
enfiados nas cozinhas do mundo,
cheirando a alho e cebola,
escrevendo com uma outra linguagem.”
Raduan Nassar

Vamos, por favor,
deixar de fingir
que sabemos com certeza
o que é um poema,
que temos meios
de reconhecer
o que é um poema
e que ainda por cima
temos o direito
de chamar qualquer poema
de “poema novo”.
Por favor, lembremos
que um poema não precisa
nem de tinta e papel,
muito menos versos
ou “tensão”, ambiguidade,
“vontade de experimentação”
ou “pesquisa de linguagem”,
assim como um poema
nunca precisou
de “expressão autêntica”
ou do que quer que se engendre
numa dessas bolorentas
catacumbas do saber.
Lembreme-nos sempre
que outros mamíferos
bípedes, como nós dois,
andam fazendo poemas
nesse planeta doente
há muitos milênios
e que por isso um poema
pode sempre estar além
de qualquer erudição.

Caro leitor, por favor:
ponha-se no seu lugar
e junte-se a mim.

Thursday, January 17, 2013

Recordar é viver: Pelé pisando na bola


“Não há ditadura no Brasil. O Brasil é um país liberal, uma terra de felicidade. Somos um povo livre. Nossos dirigentes sabem o que é melhor para nós, e nos governam com tolerância e patriotismo.”
Pelé, em entrevista a Cecilia Barrán do jornal La Opinión, Montevideo, 1972

[Celso Branco in Memoria social dos esportes – futebol e política: a construção de uma identidade nacional, Faperj, 2006. Pg 215]

Pelé enfrentando Rivelino em 1972

Wednesday, January 16, 2013

Corram para as montanhas!!!


Escrevi isso ontem. À noite nevou um pouco e hoje o dia amanheceu lindo. A vida continua!

1.     Compras de AR-15 nos Estados Unidos disparam, com um crescimento de 58% em relação ao mesmo period no ano passado. O brinquedo que custava uns 900 dólares está sumindo das prateleiras e agora não sai por menos de 1800 por causa do aumento súbito da procura.
2.     Os maravilhosos livros do Capitão Cueca [não estou brincando] entram na lista de livros que as pessoas mais querem censurar nas bibliotecas americanas, porque eles ensinam as crianças a desafiar as autoridades e por causa da “nudez” do protagonist, entre outras bobagens.
3.     Bibi Netanyahu está na esquerda [!!!] da coalisão de extrema-direita que tem grandes chances de ganhar as eleições em Israel. Gente que fala em anexar o West Bank e para quem “two-state solution” não passa de um golpe para um regime de apartheid num Israel dominado por grupo de ultra-ortodoxos nacionalistas.
4.     A direita francesa sai às ruas de Paris para gritar coisas slogans que parecem mais letras de músicas de um album da Xuxa em dueto com Pe Marcelo, cantando pérolas como “Les papas, les mamans, dans la rue on descend, le mariage on défend". A esquerda francesa no poder, enquanto isso, manda seus caças e soldados para Mali, como se tivessem saudade da Argélia, dizendo que estão defendendo a democracia e os direitos humanos.
5.     E seguindo o tema colonialism-século-XIX-redux, o NYT sugere candidamente no seu caderno de turismo que as pessoas visitem as “Falkland Islands”, a “remote British outpost”…
6.     Berlusconi ameaça voltar!
7.     Líder religioso ganha passaporte diplomático no Brasil!
8.     Depois de dirigir por seis anos uma guerra contra o tráfico que resultou em, por baixo, umas 30.000 mortes no México, Felipe Calderón é convidado para dar aulas em Harvard.
9.     Literalmente uma dúzia de manifestantes anti-Lula em SP ganham um espaço enorme na mídia. Se eu chamasse minha família inteira [mais gente portanto] para protestar contra o fato de que morre assassinado em um mês em Belo Horizonte [a média é de 54 pessoas] cinco escolas de Newtown sabem qual o espaço que eu teria na mídia? ZERO.

Tuesday, January 15, 2013

O melhor do Às moscas - Abril 2012: Quem morre limpo não foi humano

Às moscas: Quem morre limpo não foi humano: A melhor versão - disparado - é a de Pepe Jara, que canta com uma contenção que deixa a dramaticidade da letra aflorar sem os exagero...

Monday, January 14, 2013

Biroscas de New Haven: uma semi-birosca



Eu sou cético com relação a grande maioria dos movimentos por comida orgânica  e coisas do tipo aqui nos Estados Unidos. O motivo é simples: eu já vivi aqui em grandes e pequenos apertos financeiros e já senti na pele o que é ter que comprar as verduras e legumes “normais” porque os orgânicos são consideravelmente mais caros e “preferir” o cachorro quente malhado da lanchonete da esquina porque o almoço saudável na rua era simplesmente inviável para o meu bolso. Nos EUA o MacDonalds não é popular só por marketing e disponibilidade; um sanduiche de peito de frango e um café grande custam um dólar na lanchonete do palhaço. Enfim, mesmo que não seja intencional, há um conteúdo elitista, meio esnobe, que eu não gosto, principalmente quando as pessoas querem me fazer acreditar que estou “mudando o mundo” por comprar comida excelente [mas caríssima] no “farmer’s market”. Daí a minha série “Biroscas de New Haven” se concentrar naqueles lugares que oferecem comida deliciosa mas também honesta, ou seja bem barata e sem fru-fru gourmet.
Mas hoje decidi incluir na série uma semi-birosca: o supermercado/farmácia homeopática café/restaurante vegetariano Edge of the Woods. Porque pelo menos aqui - escrevo do lugar - a pizza kosher na quinta-feira, os sucos com nomes como “Picasso’s Potion” e saladas de Tofu ou húmus não significam pagar o dobro dos Dunkin Donuts da vida e porque a comida é boa e honesta. Edge of the Woods está cravado numa região de New Haven que muitas pessoas acham “barra pesada”, na Whalley Avenue; portanto uma região [até hoje pelo menos] imune a transformação de botequim em boutique que afeta, por exemplo, vastas regiões da zona sul de Belo Horizonte. Nessa injustamente mal-falada região está também meu bairro, que não tem nada de "barra pesada", aliás. Então o Edge of the Woods é para mim a padaria/café do bairro. Aqui eu venho pelo menos uma vez por semana tomar café e trabalhar, tentando resistir bravamente aos scones fresquinhos da padaria com um belo balde de café fresco, espiando o movimento da rua com bandos de pardais ciscando na triste grama do inferno, digo inverno, e GENTE andando na rua, um fenômeno algo raro nos Estados Unidos.

Sunday, January 13, 2013

A biblioteca do meu pai

Meu pai tinha uma biblioteca maravilhosa. Tão boa que boa parte do trabalho que fiz sobre a América Latina entre junho e agosto do ano passado, foi feita com base nos livros dele. Esse pedaço aí da foto mostra uma parte da coleção Machadiana dele. Arrumar os dele, coisa que eu não acabei de fazer, foi um exercício de luto interessante para um filho que perdeu velório, cremação e espalhamento de cinzas. Ali eu fui olhando para aqueles livros que me cercaram desde criança e pensando no sujeito que os comprou, em quando ele os comprou. Meu pai se apaixonava por um escritor e devorava tudo do cara: Bauman, Hobsbawn entre outros; antes deles Florestan Fernandes, Octavio Ianni, entre outros; antes deles Celso Furtado, Hélio Jaguaribe, entre outros; antes deles etc etc etc...
Depois e durante a longa paixão pelo Machado vieram quase todos os livros de José Lins do Rego, Graciliano Ramos, Guimarães Rosa, Antonio Callado. Algum João Cabral, praticamente todo o Drummond, Bandeira, Cecília Meireles; as paixões da juventude: Álvares de Azevedo e Castro Alves. Católicos franceses às pencas nos anos 50 e a revista Esprit. Mais de trinta livros sobre a Revolução Russa, de memórias a clássicos. Uma longa e prazeirosa viagem com uma ponta de melancolia e saudade. 

Thursday, January 10, 2013

Wednesday, January 09, 2013

Recordar é morrer: Tancredo Chávez ou Hugo Neves

Que diacho de país é esse que adia a posse de um presidente porque ele está doente? O que é que esse Tancredo Chávez, digo Hugo Neves, está pensando? Adiar a posse? Dar posse ao vice? Aposto que estão mantendo a carcaça dele viva até o aniversário de Bolívar. Ora, mas que absurdo!

Monday, January 07, 2013

Fevereiro 2012 no Às moscas: Recordar é viver, O jornal da Ditabranda nos anos ...

Em fevereiro tinha que pesquisar arquivos de jornais e aproveitei para garimpar pérolas da FSP e de O Globo em 1964 e em 1968 e arredores. Afinal, um dos lemas do meu blogue saudosista é "recordar é viver"...

Às moscas: Recordar é viver: O jornal da Ditabranda nos anos ...: Assim recebeu a Folha de São Paulo, em editorial do dia 30 de outubro de 1969, a chegada à presidência de Emílio Garrastazu Médici: ...

Saturday, January 05, 2013

Um estágio difícil de alcançar


Pintura em cerâmica de minha autoria - foto dos queridos amigos Magda e Pawel
"Os Feninos são impressionantemente selvagens e miseravelmente pobres: não têm armas, nem cavalos, nem casas; comem ervas do mato, vestem peles e dormem no chão: confiam só nas flechas, cujas pontas fazem com osso por falta de ferro. Tanto homens como mulheres vivem da caça. As mulheres acompanham os homens a todos os lugares e fazem questão de sua parte em tudo que conseguem. O único recurso para proteger seus filhos pequenos de feras selvagens ou chuva é um abrigo feito com galhos entrelaçados. É para aí que retornam os jovens e os velhos buscam abrigo. Eles acham que assim são mais felizes que os que urram empurrando seu arado nos campos, se esfalfam construindo suas casas ou especulam entre esperança e medo com dinheiro deles mesmos ou de outros. Não tendo nada a temer nas mãos de homens ou deuses, eles chegaram a um estágio difícil de alcançar: sequer precisam rezar pelo que quer que seja.
Além deste ponto tudo pertence ao reino da fábula: dizem que os Helusios e os Oxinios tem rosto e traços humanos mas tronco e membros de animais. Como isso não foi confirmado, deixo o assunto ainda em aberto."

Fennis mira feritas, foeda paupertas: non arma, non equi, non penates; victui herba, vestitui pelles, cubile humus: solae in sagittis spes, quas inopia ferri ossibus asperant. Idemque venatus viros pariter ac feminas alit; passim enim comitantur partemque praedae petunt. Nec aliud infantibus ferarum imbriumque suffugium quam ut in aliquo ramorum nexu contegantur: huc redeunt iuvenes, hoc senum receptaculum. Sed beatius arbitrantur quam ingemere agris, inlaborare domibus, suas alienasque fortunas spe metuque versare: securi adversus homines, securi adversus deos rem difficillimam adsecuti sunt, ut illis ne voto quidem opus esset.
Cetera iam fabulosa: Hellusios et Oxionas ora hominum voltusque, corpora atque artus ferarum gerere: quod ego ut incompertum in medio relinquam. 

Assim termina Germania de Tácito, o primeiro dos tratados etnográficos do ocidente, escrito no ano 98 DC e considerado por alguns [sensacionalistas] como "o livro dos mais perigosos de todos os tempos".

Thursday, January 03, 2013

Melhores de 2012, Fevereiro: Fragmentos de "Fuga" de Vidas Secas

Às moscas: Fragmentos de "Fuga" de Vidas Secas: Só lhe restava jogar-se pelo mundo, como negro fugido. Podia continuar a viver num cemitério? Nada o prendia àquela terra dura, acharia um...

Wednesday, January 02, 2013

Um ponto de vista

"A crítica literária não é o julgamento de um homem por outro [quem deu a você esse direito?] mas o encontro de duas personalidades em termos absolutamente iguais.
Portanto: não julgue. Simplesmente descreva suas reações. Nunca escreva sobre o autor ou a obra, só sobre você mesmo em confronto com o trabalho ou o autor. Você só tem permissão para escrever sobre si mesmo"
Witold Gombrowicz