Friday, November 14, 2008

Diário do Império - Get Out The Vote


Assisti ontem a uma palestra interessante em que os métodos “científicos” de pesquisas e campanhas eleitorais foram impiedosamente criticados como charlatanice pura. Donald Green, que deu a palestra, escreveu com Alan Gerber um livro sobre o assunto chamado Get Out the Vote - a ênfase num país em que o voto não é obrigatório é compreensivelmente fazer o máximo número de pessoas que apoiam seu candidato a sairem de casa e irem votar [ou votar pelo correio, coisa mais ou menos comum por aqui]. A eficiência de coisas como chamadas telefônicas eletrônicas, correio, e-mails, propagandas na TV é posta em dúvida por Greer. Quando comparados a grupos de controle os resultados são quase que invariavelmente pífios e os marqueteiros revelam-se como enganadores que fingem eficiência e precisão para poder vender mais do seu peixe. O que Green cita como fator capaz de influenciar as coisas em uma campanha? Um acompanhamento próximo com mais de uma visita pessoal ao provável eleitor [uma coisa cara e difícil de fazer com profissionais contratados] e a mais ou menos sutil pressão exercida pelos vizinhos e conhecidos – o que se chama em inglês de “peer pressure”.

5 comments:

Ramon Brescovici said...

camarada,
meu pai se candidatou nesta eleição 2008, à vereador de uma cidade pequena (14 mil eleitores), e tive o desprazer de ter que participar da campanha. Isto porque me posto como profundamente desgostoso quanto à politicagem.
Mas concordo com seu post, pois, para fazer a tal politicagem (bem, política exige conhecimento, não?) é moralmente acertado fazer a visitação. E pude ver que os candidatos acordavem muito cedo para fazer visitação, e dormiam muito pouco. nesque quesito são batalhadores... já em cidades grandes não sei como funciona. Porém este esforço físico é acompanhado de um esforço monetário, em quase todas as casa que eu visitava, a primeira reação da pessoa era perguntar o que ela iria ganhar se votasse em meu pai, pouco importa o partido, a proposta ou o nome do candidato!!!!! teve um que chegou a dizer que arrumaria 5 votos se meu pai pagasse um exame para o cachorro!!! nisso meu pai perguntou se o cão tinha título eleitoral, responderam "ele é da família", e meu pai retrucou em tom cômico "é parente, então?"
A agremiação, ou arrecadação de votos, é para mim anti-ética. Mas gostei de uma das decisões de meu pai, que foi abrir o escritório (ele é advogado) todas as sextas feiras pela parte da manhã pra receber a população... será que vai dar certo?
mas lhe pergunto
- Quando se dá a distribuição social de renda, quando os candidatos dão dinheiro aos pobres para estes votarem (já que a consciência de que o voto é inestimável não vigora), ou quando os eleitos atuam politicamente? Qual resultado é mais 'justo', se é que um conceito variável deste termo existe(e outros: ética, moral, dever cívico).
meu tcc envolve seu tópico, se tiver tempo, dê uma olhada, tem aqui a apresentação, e o próprio, em .doc
www.culturaebarbarie.org/palimpsesto
abraço
Ramon

Paulodaluzmoreira said...

Achei interessante seu blog e estou ainda lendo com calma o seu texto sobre democracia [esse pessoal de SC eh foda! Adoro o blogue do Nodari, que ele, alias parece ter infelizmente abandonado].
Sinto que a gente caminha mais ou menos peos mesmos caminhos, embora meu blogue seja so marginalmente sobre politica e primordialmente sobre literatura.

Fred said...

Conversa fiada do tal Donald Green!
A fórmula científica, precisa e eficiente para ganhar uma eleição é buscada como um Santo Graal por marketeiros, cientistas políticos, candidatos e palpiteiros em geral. E todos eles saem por aí puxando a brasa para as suas sardinhas e espalhando as suas próprias certezas absolutas sobre o assunto: “O marketing não serve pra nada”, “O Lula não transfere votos”, “Quem tem mais de 60% de aprovação sempre ganha a reeleição ou faz seu sucessor”, “O que conta são as visitas pessoais e a pressão da vizinhança” etc, etc.
O que ninguém parece admitir é que cada eleição, cada cidade e cada cargo disputado tem as suas próprias características e sofre influências diversas que podem determinar o resultado da votação. Alguns exemplos:
Em São Paulo, o marketing eleitoral foi muito importante, mas outros fatores (como a forte rejeição ao PT) também foram decisivos para levar o Kassab para o segundo turno e em seguida à Vitória. Em BH, numa eleição que não teve candidatos de verdade, o marketing eleitoral foi TUDO, tanto no primeiro quanto no segundo turno. um jogo muito interessante de assistir. Em Vitória - ES - (onde trabalhei) saí com a péssima sensação de que o marketing não serviu para absolutamente nada e o resultado da eleição (ainda que favorável ao nosso candidato) foi definido por conjunturas e forças políticas totalmente alheias à nossa vontade.
De qualquer forma, acho que é uma grande bobagem pensar que o Marketing político é a raiz de todos os males e que faz parte de um jogo sujo para enganar o eleitor e vender os candidatos como sabonetes. Se Ulisses, Brizola e Covas não pensassem dessa forma idiota, nós não teriamos sido obrigados a escolher entre Collor e Lula em 89, Se o Gabeira não defendesse essa mesma idéia besta, o Rio não seria obrigado a amargar os próximos 4 anos nas mãos de Eduardo Paes.
Na minha opinião, o marketing eleitoral pode ser (e efetivamente é) usado como uma das melhores ferramentas para elevar o nível da política e fortalecer a democracia no nosso país. Afinal, para um bom político, é sempre mais honesto recorrer ao marketing do que abrir seu escritório às sextas de manhã para por em prática o velho e atrasado assistencialismo ou tentar (muito pilantramente) confundir compra de votos com distribuição social de renda.

Paulodaluzmoreira said...

Oh, Fred, o Donald Green concorda com vc sobre a importancia do marketing politico. O que ele diz [puxando a brasa pra sardinha dele] eh que os metodos de convencimento [ele nao estava falando sobre o conteudo especifico da mensagem] deviam ser pesquisados pelas universidades cientificamente.

true fuck stories said...

Two or more years of planning, countless lives wrecked and my newlovers destruction well on the way and this one little thing caused thewhole plan to be on very shaky ground indeed. We tried, boss, but the button on the phone was sticking.
femdom enema stories
tugs bondage stories
father daughter incest porn stories
parody celeb bdsm stories
free rape and incest stories
Two or more years of planning, countless lives wrecked and my newlovers destruction well on the way and this one little thing caused thewhole plan to be on very shaky ground indeed. We tried, boss, but the button on the phone was sticking.