Tuesday, October 09, 2018

Quando a barra pesa, só Carlos Drummond de Andrade resolve 2


-->
Uma boa parte da melhor poesia de Carlos Drummond de Andrade foi escrita num período difícil dentro do Brasil e fora. Dentro encarávamos a Revolução de 30, a guerra civil em 1932, o Integralismo, o golpe em 1937, a ditadura do Estado Novo entre 37 e 45. Fora assistíamos o fascismo de Mussolini, o Estado novo de Salazar, a ascensão do nazismo, a guerra civil espanhola e a Segunda Guerra Mundial. Não é por nada que os poemas de Drummond muitas vezes oscilavam entre a tristeza desesperançada e os apelos por esperança e luta. 

Vejamos alguns apropriados à semana seguinte das eleições em que quase entregamos de bandeja o poder do governo federal a um ex-militar mequetrefe, rancoroso e bruto nas ideias e no trato e, como se não bastasse, demos conta de eleger um congresso ainda pior que o péssimo congresso que elegemos em 2014.

"José" não oferecia mais que um constante e angustiado "e agora?" - e nunca entendi tão bem o poema até que minha mãe sofreu um acidente traumático e começou a olhar pra gente e dizer a cada dois minutos "e agora?" "Áporo" vai mais longe e nos oferece uma ponta de esperança. O mistério de um inseto que insiste em cavar mais e mais fundo um buraco que parece absurdo como forma de escape até que o labirinto se desata e a orquídea antieuclidiana se oferece no meio da devastação. 

Ao invés de crianças o auxílio luxuoso de um sábio professor/escritor, Davi Arrigucci Jr.:




-->
Áporo
Um inseto cava
cava sem alarme
perfurando a terra
sem achar escape.

Que fazer, exausto,
em país bloqueado,
enlace de noite
raiz e minério?

Eis que o labirinto
(oh razão, mistério)
presto se desata:

em verde, sozinha,
antieuclidiana,
uma orquídea forma-se.

No comments: