Thursday, October 01, 2009

Diário da Babilônia – uma simplificação pode ser pior do que uma inexatidão

Sheila Bair, ou como as coisas são mais complicadas do que parecem ser nos Estados Unidos

Sheila Bair é atualmente a pedra no sapato das grandes corporações americanas e chegou a ganhar um “Profile in Courage Award” da Biblioteca Kennedy por ter chamado na responsa os grandes banqueiros de Wall Street em 2007 ANTES da coisa toda explodir.
Na verdade, bem antes disso, Sheila Bair foi o único voto, vencido mas valente, na comissão que decidiu liberar a ENRON da regulação anti-fraude. Em 2001 a ENRON, queridinha da revista Forbes [ganhou por seis anos consecutivos o prêmio de “America’s Most Innovative Company], quebrou levando 22.000 empregos e milhões de dólares dos investidores [mas não dos diretores da empresa que venderam todas as suas ações antes].
E Sheila Bair, atualmente trabalhando no FDIC [Federal Deposit Insurance Corporation], é uma voz combativa na luta para enquadrar os grandes bancos americanos, que apesar dos bilhões do contribuinte que os salvaram da bancarrota, não querem agora saber de “interferência” do governo nos seus negócios.
Bom, Sheila Bair, meus amigos, é membro de carteirinha do Partido Republicano do estado do Kansas…

5 comments:

sabina anzuategui said...

bem, ela parece ser um exemplo daquela coisa rara, a direita ideológica ou algo assim.

sabina anzuategui said...

paulo, estou com um dúvida de tradução nesta frase: "This book indulges in film theory, which in recente years has become quite staggering stuff. Still, what follows is not quite theory as usual, if only because I do not accept any hard-an-fast distinctions among theory, criticism, and history".

Não encontro um termo p/ "indulges in"...

Paulodaluzmoreira said...

Esse "indulge" eu traduziria como "se compraz". Nos EUA um anúncio de chocolate poderia perfeitamente usar o verbo indulge no sentido de se entregar ao prazer, dar-se a liberdade de saborear um delicioso chocolate.Não sei o contexto maior, mas funciona assim?

sabina said...

obrigada! no fim, acabei desistindo da frase porque teria que pesquisar pra traduzir "film theory" também.

acho que no brasil se diz teoria do cinema, não do filme... enfim, era uma citação, ficou mais curta e talvez assim seja melhor.

Paulodaluzmoreira said...

Sabina, os departamentos de estudos de cinema nos Estados Unidos se chamam "Film Studies", assim sendo a tradução de film theory como teoria do cinema seria perfeita.