Wednesday, November 24, 2010

Poesia minha

Lendo Birthday Letters I

A poesia não salva ninguém

além de si mesma

mesmo nos poemas dos suicidas

dos frustrados dos covardes

dos doentes terminais

dos perversos fúteis

mesmo quando em última instância

a poesia lá de fato habita

mesmo quando é o último recurso

dos desesperados

a poesia não salva ninguém

além de si mesma.

A poesia floresce

lá onde menos se espera

rabiscada na parede

dum banheiro torpe

nos olhos injetados dum leitor

ainda mais torpe

lá onde moram monstros engenhosos

e a maldade condensada em dor

jorra sem esforço

dos poros do mundo

a poesia floresce

lá onde menos se espera

Para a poesia

o poema é como uma luva fria

guardando vazia

a memória da mão

para a poesia

o poema só se abre a um nada

um corpo que morre num colchão nu

no chão frio de uma cela vazia

onde tudo o que não é morte

é um ponto cego

para a poesia

o poema é como uma luva fria.

2 comments:

Tata Marques said...

linda. vou postar no 'E os poetas, prestam?'.
Bjos

Paulodaluzmoreira said...

OBRIGADO! É uma primeira versão. Eu costumo gostar bem menos delas depois de um mês...