Thursday, July 30, 2015

Prosa Minha: A Geração de 1965

A Geração de 65

Meu pai parecia saber tudo sobre tudo. Ironicamente acho que ele não tinha a menor ideia sobre o que fazer com todo esse conhecimento. Mas acho que isso não o incomodava. Relacionar-se com pessoas de carne e osso para ele não tinha a menor importância. Seu mundo era o mundo das ideias, que para ele não eram nunca boas ou más, mas apenas interessantes. Ironicamente ele me pediu antes de morrer que eu destruísse tudo o que escreveu depois que ele morresse. Eu o obedeci, mas um de seus textos, que segue, já havia sido publicado.[1]

“A Geração de 65 é das mais vigorosas do século, principalmente no que diz respeito à chamada lírica da solidão anabolizante, com uma busca incessante da experimentação estética em linhas arrojadas, porém eminentemente bucólicas. Foram publicados inicialmente nas páginas amarelas das revistas Broca, Espelho e, é claro, Klut – O Passado Condena; além do lendário caderno de cultura do jornal Folha de Moctezuma dirigido na época por Eulálio Fagundes Feitosa e Júlia Jorge de Medeiros. Essa é uma geração marcada acima de tudo pelo desastre da desclassificação da seleção iugoslava nas eliminatórias para a Copa da Inglaterra e seu líder inconteste e figura mais importante é, sem dúvida, Xerxes Feitosa. Advogado, militante estudantil, jornalista e dono de uma academia de ginástica, Xerxes Feitosa teve em Largos Anéis, seu primeiro livro de poemas, um sucesso sem precedentes, tendo permanecido na lista dos mais vendidos de Moctezuma por 33 semanas consecutivas. O sucesso descomunal de Largos Anéis acabou gerando protestos de emissoras de televisão, que reclamavam da competição desleal contra seus programas, abandonados às moscas enquanto a cidade promovia intermináveis saraus que sempre terminavam com a leitura entusiasmada dos poemas mais famosos de Xerxes: “Lava,” “Ode ao Envelope Lacrado” e principalmente “Fragmentos de um Frango de Poliuretano.” Magnitudes Infinitesimais marca uma guinada histórica na trajetória do poeta, com poemas curtos e grossos alusivos à polêmica com a televisão que culminou com o manifesto Televisão Também é Cultura. Destacam-se nesse livro os poemas “Lápides em Pó” e “Estrofes em Trufas.” Destacam-se também na Geração de 65 Coriolano França Júnior, poeta do amor solitário e das divagações amarguradas sobre a falta de dinheiro, e Gérson Gilson Siqueira, conhecido pelo seu rigor informal e comprometimento antissocial e pelas bucólicas memórias da juventude no bairro Servo-Croata de Montezuma. O crítico Almenara Salustiano descreve a Geração de 65 com as seguintes palavras: “Jovens maduros, paradigmáticos, mórbido-emotivos e por vezes até confusos, mas sempre estéticos, os poetas da Geração de 65 fundem o cru e o cozido, o macro e o micro, o hermenêutico e o seráfico numa síntese de opostos ortodoxos.”  




[1] Texto publicado originalmente na antologia “Os Duzentos Melhores Poetas de Montezuma” de Olavo Penafiel Filho.

No comments: