Friday, February 29, 2008

Sobre crítica na imprensa

É natural que gostemos mais de certos artistas por causa de uma afinidade particular com um determinado tipo específico de arte. É natural, por exemplo, que gostemos, uns mais de Pollock, outros mais de Mondrian ou uns mais de Pollock e Mondrian e outros de Warhol, etc. E pode ser divertido se sentar na mesa do bar e discutir sobre essas nossas afinidades. Mas a crítica jornalística precisa levar outras coisas em conta, principalmente quando se dispõe a julgar o mérito do trabalho de um artista. Para começo de conversa, o crítico precisa explicitar se quer identificar e avaliar um projeto estético em si ou se quer julgar o mérito de um Mondrian ou um Pollock ou um Warhol dentro dos parâmetros que eles escolheram ou desenharam para si mesmos. Confundindo essas duas coisas completamente diferentes, a crítica jornalística tem muito pouco a acrescentar além do óbvio. Por exemplo, é um exercício banal e pouco instrutivo, mas comum, criticar um Spielberg com as balizas de um Bergman ou vice-versa. O resultado é invariavelmente o mesmo: um sentencia que Spielberg é frenético, pouco reflexivo, maniqueísta e usa truques baixos de retórica emocional e o outro diz que Bergman é um “chato”, lento demais, insistindo em um enredo “frouxo” sem grandes interesses e desprovido de suspense e portanto sem algo que prenda de fato a audiência. Vamos para a poesia e vemos um sujeito dizer que um certo poema concreto articula um discurso superficial e insuficientemente crítico enquanto outro chama um poema da poesia marginal de prosaico, hedonista, inconsequente. Ler Chacal com a baliza de Castro Alves é um gesto tão fútil quanto ler João Cabral ou Castro Alves com a com a baliza de Chacal. Que sentido tem reclamar da “pobreza das harmonias e melodias” de uma banda Punk? Para que eu perderia o meu tempo lendo sobre isso? Não parece tudo tão óbvio? Para que então eu perder meu tempo escrevendo sobre isso? Ora, basta ler a crítica de jornal com certa regularidade para perceber que parte da crise da mesma se deve à irrelevância em que ela acaba caindo por causa de um mar de obviedades, isso para não falar de “debates” que partem dessa confusão entre o mérito de uma proposta e o mérito de uma obra específica e degeneram rapidamente para uma troca de impropérios deprimente. Nada contra a veemência, mas é preciso ser veemente sobre alguma coisa consistente. Essa tendência ao bate-boca vazio deixa a impressão de que todos gritam muito alto para esconder o fato de que não estão dizendo nada.

No comments: