Tuesday, December 02, 2008

Ainda nos mares - um poema meu


Nós vamos afundar
Nós vamos afundar
devagar até o fundo da
garrafa e lá vamos nos encontrar
transformados em bestas
de corpo fosforescente, criaturas
vivendo sem luz, no fundo
mais fundo, submersos
no lodo, sem olhos
para abrir e ver,
só um par de antenas
cravadas no couro velho e duro.

E, no momento mais agudo,
esses monstros lá de baixo
vão nos mastigar devagar
e, como nossas irmãs, as hienas,
vão nos enterrar na areia
e voltar para comer
o resto mais tarde.
Mas um corpo morto é um copo
deitado, não segura mais nada;
aberto para o mundo,
não se fecha nunca mais.

Ah, nós vamos afundar
devagar, e vai ser bom demais.
Porque lá no fundo a felicidade vai estar
nos esperando com a boca aberta,
macia, sem dentes, pronta para
nos engolir sem mastigar.

Ah, vai ser bom demais.
Nós vamos afundar
agora, juntos.

1 comment:

sabina anzuategui said...

oi, respondi lá no meu blog que aceito seu desafio... é simpático, pode ficar interessante.

mudando de assunto, você leu hoje o j.p.coutinho falando do saramago na ilustrada?

enfim, nem gosto muito desse coutinho, mas ele tem humor, e tudo somado gosto mais dele que do saramago.

ps: gostei do poema.