Friday, March 17, 2017

Obituário: Derek Walcott

Foto minha: Espelho d'água
Encerramento
Derek Walcott


Eu vivo sobre as águas
sozinho. Sem mulher nem filhos.
Circulei todas as possibilidades
para cheguar a isto:

uma casa baixa perto da água cinza,
com as janelas sempre abertas
para o mar parado. Não escolhemos essas coisas,

mas somos o que fizemos.
Sofremos, passam-se os anos,
baixamos a carga mas não a nossa precisão

de estorvos. O amor é uma pedra
que se acomoda no leito do mar
debaixo da água cinza. Agora nada quero

da poesia além de sentimento verdadeiro,
nem piedade, nem fama, nem cura. Esposa silenciosa,
podemos nos sentar e assistir a água cinza,

e numa vida inundada
com mediocridades e lixo,
viver feito pedras.

Eu desaprenderei a sentir,
desaprenderei meu dom. Isso é mais
e mais difícil do que o que aí se passa por vida.


Acesse o original e outra tradução aqui.
Comentei brevemente sobre o poema e a tradução aqui.










2 comments:

sabina anzuategui said...

Li os dois textos. Interessante o que você escreve sobre a primeira tradução.

Paulodaluzmoreira said...

Pois é, Sabina, complicado traduzir. Acho que a maioria da crítica sobre tradução é ruim porque fica o tempo todo apontando para o que faltou ou o que veio em excesso sem entender que é um processo inevitável esse de perdas e ganhos na transposição para outra língua e outra cultura.