Tuesday, June 03, 2008

Uma voz - poema em quatro partes

I

Torce
os duros tendões do tempo,
guarda o mundo dentro,
mergulha
entre escrito e não-escrito
(os dois lados de todo livro).
Densa,
funda,
muda,
nua
na frente, vestida de gente,
finge
que finge
que finge
que finge
e antes da visita do ponto final
engole
a sua derrota no prato de cal,
seca
o rosto
e some.

4 comments:

angélica freitas said...

que tal gravar esse poema e colocá-lo no blog em mp3? já que se chama "uma voz"... let us hear it. :-)

um abraço.

Paulodaluzmoreira said...

É uma idéia interessante, Angélica. Vou pondo o resto do poema e depois gravo tudo, quem sabe? Mas a minha voz é meio fuleira... Tenho que arrumar "uma voz" para fazer o negócio funcionar...

Carol Sales said...

Trem bonito de dar nó na garganta da gente!
voltarei sempre.

Paulodaluzmoreira said...

Seja benvinda Carol! Obrigado pelo comentário.