Monday, July 15, 2013

Poesia Involuntária?


Tem certas frases que eu já ouvi, que parecem causar escárnio ou até desespero em outras pessoas, mas que em mim causaram aquele comichão involuntário que muita gente identifica com o reconhecimento da poesia. Alguns exemplos:

“O trânsito dessa cidade hoje tá um cálcio!”

“E o tranpote púbico que parece que empiora cada vez mais?”

“Esse tipo de Rinoceronte é muito debatido lá na África. Já está quase instinto.”

“Isso é um problema de baixa-estima dela.”

“Este tipo de estrumento é muito difícil de aprender tocar.”

“Ele ficou rico, mas não é desumilde.”

“Comi tanto que agora estou me sentindo engarrafado.”

“Desde quando que ele usa bárbara na cara?”

“Esse cara é um débito mental!”

“Meu filho está fazendo o curso de compotação na universidade.”

“Perdeu a família e acho que ficou esquilofrênico, o coitado.”

Que a poesia não precisa nem de livros, muito menos de prêmios ou concursos, isso eu já sabia. Será que ela não precisa nem de intenção? Seriam essas frases peças de poesia involuntária?

2 comments:

Tudo de Novo Outra Vez said...

Esse post é a cara do falecido Extras e Ordinárias. =)
(tata)

Paulodaluzmoreira said...

Falecido e muito, muito saudosamente lembrado!