Sunday, September 14, 2008

Keats vai ao paraíso

Keats vai ao paraíso


Corremos, voamos e quando lá chegamos, quando longe se faz perto, nada se altera, e nós encontramo-nos com as mesmas misérias, com os mesmos e estreitos limites, e de novo a nossa alma suspira pelo mesmo bálsamo que acabou de se esvair.
Werther







Enfim,
fugiu.
E viu
que lá
o chão
também
é duro
e frio
e o metro
tem cem
centímetros
e um quilo
de estopa
e um quilo
de chumbo
são um quilo
também
e dez
vez oito
ou oito
vez dez
dá oitenta
também
e as portas
[fossem do que fossem feitas]
fechavam
também.

2 comments:

sabina anzuategui said...

que bonito. de quem é o poema?

Paulodaluzmoreira said...

eh meu mesmo, Sabina! Que bom que vc gostou.