Monday, August 19, 2013

De como extrair uma limonada de um limão de plástico

Fiquei intrigado com um daqueles posts ilustrados que aparecem quase diariamente no fcbk afirmando que o Brasil tinha a gasolina, os políticos e os impostos e mais um punhado de outras coisas mais caros do mundo e daí a revolta apesar do povo alienado e o Lula e a Dilma e bla bla bla.

Aí eu paro e penso, "Mas como é que alguém pode constatar que todas essas coisas são mais caras do que em qualquer outro lugar do MUNDO"?

Por curiosidade resolvi comparar o preço da gasolina ontem em Belo Horizonte e em New Haven. [Sou curioso mas não sou economista nem tenho tempo assim à toa.] Encontrei na internet dados sobre os preços cobrados nos postos das duas cidades ontem. Depois a coisa era mais ou menos simples, dependendo de converter dólares em reais e galões em litros.

De fato a gasolina em BH era mais cara. O preço variava entre R$2.58 e R$3.00 por litro, enquanto aqui em New Haven ele variava entre R$2.29 e R$2.46 por litro.

Eu paro e penso que meu post ilustrado não impressionaria ninguém dizendo:
"A gasolina no domingo passado em Belo Horizonte estava de 29 a 54 centavos mais cara que a gasolina em New Haven!"

Claro que eu podia trocar para porcentagem e usar a distância maior entre os dois preços mais caros e dizer "gasolina é mais de 20% mais cara em BH do que em NH!" Ainda assim não impressiona tanto.

Mas, se eu trabalhasse na Veja ou quisesse impressionar meus amigos de fcbk, eu podia pegar o preço mais barato em NH em comparação com o preço mais caro em BH e omitir as duas cidades:

"Constatei que a gasolina no Brasil é quase 50% mais cara que a gasolina nos EUA!!!!!!!"

Paro e penso que preciso achar outro termo de comparação e acabo descobrindo em reportagem da Bloomberg [longe de ser um QG do comunismo islamita internacional] que na França paga-se US$8.38 por galão de gasolina. Isso dá R$5,28 por litro [com o dólar do domingo passado]. Ah, e a reportagem ainda me informa de brinde que a França tem a nona gasolina mais cara do mundo. [sinceramente não tenho tempo para descobrir qual é a gasolina mais cara do mundo]

À essa altura paro e penso que o impacto do preço da gasolina numa economia depende, é claro, da dependência dessa economia do uso desse combustível e preço cobrado na bomba [caros amigos do NSA, bomba é o termo em português para PUMP e não tem nada com BOMBA, ok?] pode inclusive funcionar como incentivo ou desincentivo ao consumo/dependência maior.

No comments: