Tuesday, August 20, 2013

De como extrair uma limonada de um limão de plástico 2 - Impostos

-->
Continuando minha incursão por assuntos que são da minha conta resolvi tentar comparar os impostos de renda [não me peçam para sequer começar a entrar no cipoal de impostos nos dois países].

O salário mínimo nos EEUU é expresso em horas. Assim temos que fazer uma primeira conversão. Em Connecticut o mínimo é de $8,25 por hora, o que poderia dar em 1.584 dólares por mês se o sujeito trabalhar 8 horas por dias, 6 dias por semana. No caso ele teria retido na fonte mais ou menos US$160.35 por mês [se fosse casado com dois filhos].  

O absurdo de comparar essa situação com a de um infeliz casado com dois filhos que ganha um salário mínimo de 678 reais (ou 282.50 dólares) no Brasil é tão patente que eu nem vou falar mais nada. 

Ainda nas minhas fuçações de economista de araque, constato que o renda per capita do estado de Connecticut [conhecido aqui em casa como "conecta e corta"] é de $34,849 ao ano, o que dá numa conversão para os 13 meses de salário no brasil em US$ 2.680,69 por mês - R$6.433, 65. Nesse caso o imposto retido na fonte seria $337,35 por mês - R$809,64.

Connecticut é o terceiro estado com a renda per capita nos EEUU. O terceiro estado no Brasil é Santa Catarina, onde a renda per capita é R$967,45, o que dá R$12.576,85 por ano. E o imposto retido neste caso é zero.

Mais uma vez isso não quer dizer muito: renda per capita só serve para alguma coisa numa situação de distribuição de renda mais ou menos equitativa. Do contrário, dois bilionários elevam a renda per capita de um determinado lugar apesar de um exército de milhares de miseráveis.

Apenas chamo a atenção para o absurdo de comparar um salário de 5.000 reais no Brasil e o equivalente nos Estados Unidos. No Brasil estamos falando de uma elite que ganha mais de cinco vezes a renda per capita [em SC] enquanto que nos EEUU estamos falando de um cara que não ganha nem um terço dessa renda [em CT].  

A conclusão final é a de que não faz muito sentido comparar os impostos na fonte, no final das contas ou quando for no Brasil com os do país mais rico do mundo a não ser que faça sentido comparar um sujeito bem estabelecido na classe média alta de um país com um sujeito quase-carente do outro.


6 comments:

sabina anzuategui said...

Continue assim, e vai acabar Ministro do Planejamento!

Paulodaluzmoreira said...

Deus me livre e guarde, Sabina! Minha incursão pelo mundo das estatísticas econômicas acaba hoje mesmo. E olhe que eu não cheguei a conclusão nenhuma sobre nada, além é claro da maluquice geral da internet!

Tudo de Novo Outra Vez said...

Vc quer mesmo ter leitores?
(Tata)

Paulodaluzmoreira said...

Claro, Tata! Eu quero ser lido pelas multidões! ;)

Anonymous said...

Ah, mas esse negócio de ser conhecido é um trabalho mental tão grande. Eu preferiria ser póstuma. rsrs
(tata)

Paulodaluzmoreira said...

Aí, eu me transformo num recluso enigmático.