Tuesday, December 24, 2013

O Complexo Industrial do Branco-Salvador de Teju Cole


Um dos textos mais marcantes que eu encontrei na internet foi a série de twits do escritor Teju Cole reproduzida na revista The Atlantic chamado "O Complexo Industrial do Branco-Salvador," feito em reação à campanha StopKony. Resolvi traduzi-lo inspirado por um comentário recente que escutei sobre as virtudes da "boa-vontade", que eu considero a argamassa com que se assentam as pedras das boas intenções que levam diretinho ao inferno. Acompanha o original para quem lê em inglês:


O Complexo Industrial do Branco-Salvador

Teju Cole, Mar 21 2012
 Se vamos interferir com a vida dos outros, um pouco de escrúpulo é o requerimento mínimo.

Faz uma semana e meia eu assisti ao video Kony2012. Escrevi na sequência uma resposta breve dividida em sete partes, que postei em sequência na minha conta do Twitter

1.     De Sachs a Kristof ao Invisible Children ao TED, o ramo da indústria que mais cresce nos Estados Unidos é o Complexo Industrial do Branco-Salvador.
2.     O Branco-Salvador apóia políticas brutais de manhã, patrocina caridades à tarde e recebe prêmios à noite.
3.     A banalidade do mal se transmuta na banalidade do sentimentalismo. O mundo inteiro não passa de um problema a ser resolvido pelo entusiasmo.
4.     Esse mundo existe para satisfazer às necessidades – incluindo, é importante, as necessidades sentimentais – dos brancos e da Oprah.
5.     O Complexo Industrial do Branco-Salvador não tem nada a ver com justiça. Trata-se de prover uma grande experiência emocional que valide o privilégio.
6.     Preocupe-se febrilmente com aquele terrível chefe de facção armada africano. Mas perto de 1.5 milhão de Iraquianos morreram por causa da guerra de ocasião dos Americanos. Preocupe-se com isso.
7.     Eu tenho um profundo respeito pelo sentimentalismo americano da maneira como alguém respeita um rinoceronte ferido. Melhor ficar de olho nele, por que você sabe como ele é letal.        

The White-Savior Industrial Complex
Teju Cole, Mar 21 2012
If we are going to interfere in the lives of others, a little due diligence is a minimum requirement.

A week and a half ago, I watched the Kony2012 video. Afterward, I wrote a brief seven-part response, which I posted in sequence on my Twitter account:

1- From Sachs to Kristof to Invisible Children to TED, the fastest growth industry in the US is the White Savior Industrial Complex.
2- The white savior supports brutal policies in the morning, founds charities in the afternoon, and receives awards in the evening.
3- The banality of evil transmutes into the banality of sentimentality. The world is nothing but a problem to be solved by enthusiasm.
4- This world exists simply to satisfy the needs—including, importantly, the sentimental needs—of white people and Oprah.
5- The White Savior Industrial Complex is not about justice. It is about having a big emotional experience that validates privilege.
6- Feverish worry over that awful African warlord. But close to 1.5 million Iraqis died from an American war of choice. Worry about that.
7- I deeply respect American sentimentality, the way one respects a wounded hippo. You must keep an eye on it, for you know it is deadly.


No comments: