Saturday, January 23, 2010

Sobre o que é justiça, de 1995 a 1945

Cinqüenta anos separam as duas citações, mas elas parecem ter sido feitas uma para a outra. O livro de Solomon articulou explicitamente coisas importantes para mim, coisas que a literatura como forma específica de conhecimento já tinha me contado implicitamente com o texto de Graciliano Ramos de onde vem o trecho abaixo e com o "Campo Geral" de Guimarães Rosa, coisas que eu li ainda na adolescência.


My overall argument is that justice is a complex set of passions to be cultivated, not an abstract set of principles to be formulated, mastered and imposed upon society. Justice begins with compassion and caring, not principles or opinions, but it also involves, right from the start, such “negative” emotions as envy, jealousy, indignation, anger, and resentment, a keen sense of having been personally cheated or neglected, and the desire to get even. Our sense of justice is cultivated from these “negative” emotions.
Robert C. Solomon, A Passion for Justice, 243 - 1995

As minhas primeiras relações com a justiça foram dolorosas e deixaram-me funda impressão. Eu devia ter quatro ou cinco anos, por aí, e figurei na qualidade de réu. Certamente já me haviam feito representar esse papel, mas ninguém me dera a entender que se tratava de julgamento. Batiam-me porque podiam bater-me, e isto era natural.
Os golpes que recebi antes do caso do cinturão, puramente físicos, desapareciam quando findava a dor. Certa vez minha mãe surrou-me com uma corda nodosa que me pintou as costas de manchas sangrentas. Moído, virando a cabeça com dificuldade, eu distinguia nas costelas grandes lanhos vermelhos. Deitaram-me, enrolaram-me em panos molhados com água de sal – e houve uma discussão na família. Minha avó, que nos visitava, condenou o procedimento da filha e esta afligiu-se. Irritada, ferira-me à toa, sem querer. Não guardei ódio à minha mãe. O culpado era o nó. Se não fosse ele, a flagelação me haveria causado menor estrago. E estaria esquecida. A história do cinturão, que veio pouco depois, avivou-a.
[…]
Solto, fui enroscar-me perto dos caixões, coçar as pisaduras, engolir soluços, gemer baixinho e embalar-me com os gemidos.Antes de adormecer, cansado, vi meu pai dirigir-se à rede, afastar as varandas, sentar-se e logo se levantar, agarrando uma tira de sola, o maldito cinturão, a que desprendera a fivela quando se deitara. Resmungou e entrou a passear agitado. Tive a impressão de que ia falar-me: baixou a cabeça, a cara enrugada serenou, os olhos esmoreceram, procuraram o refúgio onde me abatia, aniquilado.
Pareceu-me que a figura imponente minguava – e a minha desgraça diminuiu. Se meu pai se tivesse chegado a mim, eu o teria recebido sem o arrepio que a presença dele sempre me deu. Não se aproximou: conservou-se longe, rondando, inquieto. Depois se afastou.
Sozinho, vi-o de novo cruel e forte, soprando, espumando. E ali permaneci, miúdo, insignificante, tão insignificante e miúdo como as aranhas que trabalhavam na telha negra.
Foi esse o primeiro contato que tive com a justiça.
Graciliano Ramos, “Um cinturão”, Infância - 1945

No comments: