Monday, January 25, 2010

Diário de Pindorama: chacina da copa? chacina da olimpíada?

Roberta Duboc Pedrinha escreveu no Jornal do Brasil um artigo com o provocativo título de "Não queremos a chacina da Copa do Mundo". Passo aqui os dois primeiros parágrafos:

Faz dois anos e meio que ocorreu a megaoperação policial no Complexo do Alemão, conhecida como Chacina do Pan. Foi em 27 de junho de 2007, que se firmou uma parceria entre o Governo do Estado do Rio de Janeiro (através da Polícia Civil e Militar) e o Governo Federal (através da Força Nacional de Segurança). O efetivo policial contou com um total de 1.350 homens e a intervenção culminou, em um único dia, com 19 pessoas mortas e 62 pessoas feridas por arma de fogo.

Me lembro bem disso, especialmente, quando de minha segunda visita após a operação, ao Complexo do Alemão, na condição de coordenadora de Sistema Penitenciário e Segurança Pública da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil, em 30 de junho de 2007, particularmente impactante para toda a nossa equipe. Transcorreu durante todo um longo dia, em que os casebres na rua principal e nas ruelas estreitas estavam atassalhados por projéteis. Os rastros de sangue enodoavam a paisagem. A angústia e o desespero ainda estavam estampados nos olhos dos moradores. Ouvimos dezenas de emocionados depoimentos de vítimas, familiares de vítimas e testemunhas, tomados a termo na sede da Associação dos Moradores, que narravam extorsões, roubos, furtos, ameaças, constrangimentos ilegais, lesões corporais e homicídios. Estivemos com dezenas de vítimas ainda feridas, algumas sem nenhuma hospitalização."

Acho que não preciso comentar. O resto do texto está aqui.

Ou melhor deixo uma letra de Arnaldo Antunes que apareceu recentemente no blogue do Ademir Assunção fazer o comentário:

CHACINA

Acertaram aquele e o amigo dele

O de blusa listrada com a namorada

O menor correu, seu irmão morreu

O seu pai sumiu, nunca mais se viu

O de short azul, pasto de urubu

Camisa vermelha sobre o peito nu

Dois estão feridos mais sete escondidos

E os outros seis já viraram três

Quem tava do lado também foi queimado

Quem pode escapar não pode falar

Ninguém teve pena, ninguém teve dó

Daquela família só ficou a avó

E daquele corpo, osso dente e unha

Ninguém quer o troco, ninguém testemunha

Não deu na TV, nem deu no jornal

Não foi pra cadeia, nem pro hospital

Não teve caixão, não teve funeral

E TEM MUITA GENTE QUE ACHA NORMAL




No comments: