Tuesday, September 11, 2012

Escavando notas - Mais Manoel Bonfim


Um dos lances mais ousados [até hoje] de América Latina: Males de Origem é quando Manoel Bonfim enquadra a independência brasileira como mais uma independência latino-americana. O padrão delas todas é a preponderância do que ele chama de "elemento refratário" e compara aos dentes do parasita colonial que permanecem agarrados ao corpo dos novos países. 

"Fez-se a independência da colônia exclusivamente para os refratários. No momento, toda a separação se reduziu a substituir o título do chefe do governo – não é mais rei, é imperador; a nação passa a ter uma Constituição sua, copiada da antiga, copiada pelo próprio imperante, eterno distribuidor de constituições; deram-lhe um parlamento seu, que o monarca dissolveu quando quis; e fez-se tornar a Portugal alguns centos de soldados. Tudo mais aqui fica: “todas as pessoas de ordem civil, eclesiástica e militar que a
corte portuguesa deixou no Rio de Janeiro ocupando os altos cargos”. A mesma máquina administrativa, com os mesmos processos, e privilégios, e parasitas; os mesmos costumes, e até a mesma freguesia financeira – a Inglaterra. “Todos os partidos se tornaram separatistas; tornaram–se brasileiros todos os empregados públicos, magistrados dos tribunaissuperiores e outros...” [179]

Bonfim explica a preponderância desses refratários na América Latina ao conservadorismo [que ele chama de "conservantismo"] que é um comportamento preponderante de uma relação parasitária. O parasita, que domina a relação, deseja ardentemente que tudo se mantenha como está. 

No comments: