Friday, April 03, 2015

Mais Clóvis nesse mundo, por favor


Add caption
Eu adoro a figura do rei Clóvis, avô pagão de Carlos Magno que aparece no livro dos 12 pares de França, provavelmente muito diferente do rei de fato que viveu entre 481 e 511 DC. Um homem com um coração capaz de gerar um grande amor por uma mulher que ele nunca viu só ouvindo as descrição dos que a viram e ainda sentir uma grande pena por não poder estar com essa mulher com quem ele nunca esteve. Um homem capaz de “descobrir seu segredo a um confidente” para tentar aliviar a sua pena e dar remédio a sua paixão por essa mulher; que envia seu amigo confidente vestido de mendigo para receber esmolas da princesa amada e fazer-lhe a sugestão de casamento com um anel de ouro; que se casa com ela e aceita que sua esposa continue cristã mesmo sendo ele pagão; que aceita que sua esposa tenha batizado seus filhos, mesmo achando que o menino morreu exatamente porque não ter sido dedicado aos seus deuses e que o segundo tinha nascido fraco e doente pelo mesmo motivo; que mudou de ideia sobre religião depois de levar uma coça de um exército cristão muito menor que o seu; e que, escutando depois a história da crucifixão de Cristo, se levantou cheio de lágrimas nos olhos e lamentou não poder viajar no tempo com os seus guerreiros para dar uma boa coça nos romanos e salvar Jesus de tanto sofrimento. Os afetos do rei Clóvis imaginado nesse velho livro não se deixam limitar nem pela distância no espaço [no caso da princesa Clotilde] e no tempo [no caso da paixão de Cristo] e nem mesmo pela sua própria falta de experiência – a inocência do rei Clóvis não se traduz em ignorância por causa dessa capacidade tão intensa de afeto.

No comments: