Wednesday, May 27, 2009

Um dia apareceu um letrista chamado Márcio Borges

E Márcio Borges escrevia letras assim para seu irmão e os amigos dele, principalmente um tal de Milton Nascimento. Porque Milton Nascimento trocou Márcio Borges por Fernando Brant eu não sei, mas só sei que tudo acabou em xaropadas como Coração de Estudante... Ah, Milton, se você arrumasse um letrista como Márcio Borges de novo...



Clube da Esquina no 2


Porque se chamava moço
Também se chamava estrada
Viagem de ventania
Nem se lembra se olhou pra trás
Ao primeiro passo, asso, asso
Asso, asso, asso, asso, asso, asso
Porque se chamavam homens
Também se chamavam sonhos
E sonhos não envelhecem
Em meio a tantos gases lacrimogênios
Ficam calmos, calmos
Calmos, calmos, calmos
E lá se vai mais um dia
E basta contar compasso
E basta contar consigo
Que a chama não tem pavio
De tudo se faz canção
E o coração na curva
De um rio, rio, rio, rio, rio
E lá se vai...
E lá se vai...
E o rio de asfalto e gente
Entorna pelas ladeiras
Entope o meio-fio
Esquina mais de um milhão
Quero ver então a gente, gente
Gente, gente, gente, gente, gente

8 comments:

Tata Marques said...

ah, essa música! Linda linda.

Paulodaluzmoreira said...

e qdo a gente mora longe demais e qdo a gente tem coraçao de manteiga e qdo a gente sente que perdeu o que tinha e que nao adianta mais voltar...

Anonymous said...

nao tinha prestado atencao na letra, acredita? linda! eh importante nao perder o que se tem agora...

Mariana Botelho said...

adoro essa música.

Paulodaluzmoreira said...

Essa música é linda e a letra é excelente. É uma pena que Milton não faz nada assim há muito tempo...

sabina anzuategui said...

sim, milton ficou muito brega há muito tempo. "coração de estudante" não dá.

Anonymous said...

aaes liked annexure taxi himself editing lieberman diego topical zinc fcfuekzrk
masimundus semikonecolori

Anonymous said...

Quando cheguei no Rio em 197x, nosso anfitrião pediu que eu pedisse algo ao vizinho (açucar?), e la' vou eu bater na porta. Quem me recebeu foi Marcinho Borges.