Friday, March 08, 2013

Escavando notas 3: Machado Engajado e o México Ocupado


Como era comum no século XIX, quando se tratava de conclamar o público à ação política, usava-se a poesia. E o tema do conflito no México foi exposto ao público por Machado de Assis também em poesia, já no seu primeiro livro, Crisálidas. O poema é datado de 1862 [início da invasão das potências européias para punir o México, que se recusava a pagar sua dívida externa] e compara na epígrafe os mexicanos aos heróis gregos em luta desigual com os exércitos persas de Xerxes. O nome não poderia ser mais dramático: “Epitáfio do México.” Mas o defunto não é o fim da conversa: enquanto Machado lamenta que “Contra a justiça, ó século, / Venceu a espada e o obus,” no fim do poema ele profetiza uma ressureição redentora:

"E quando a voz fatídica
Da santa liberdade
Vier em dias prósperos
Clamar à humanidade,
Então revivo o México
Da campa surgirá."

Aqui entre nós não é por nada que a prosa do Machado é bem mais famosa que a suas poesias… o que não quer dizer que ele seja um mau poeta. O "problema" é que ele é um poeta, digamos, bom e um prosista sensacional e a comparação é dura. 

O ditador francês Napoleão III, que inventou a aventura imperialista no México, e seus inacreditáveis bigodes...
 

1 comment:

Anonymous said...

I didn't want to drive all the way back to Autozone to pick up a new terminal post clamp, so I figured I'd attach it and
see what happened. However, it is still possible to insect the terminals and make sure
there is no corrosion. Both Intel and AMD contain
information built in the processor to allow the processor to be used efficiently with mobile computing saving
on battery life while giving the best performance.

Here is my blog radiosender