Thursday, July 24, 2014

Poesia minha: Vida em degelo

Vida em degelo

uma aresta gigantesca de gelo
emerge do fundo ermo do mar
rasga com o corpo o ar frio e seco
ajusta-se ao seu leito desigual
encara o sol da meia-noite indiferente
flutua dura e cega aresta de água e sal
dissolvendo-se em regresso
é só um fantasma banal
do nosso longo epílogo lento
uma imensa lápide em branco
um Titanic às avessas
não há nada
por trás do seu silêncio

além de indiferença por nós

No comments: